Gafanhotos do deserto podem ameaçar colheitas entre maio e junho, diz ONU 
BR

17 março 2020

Programa Mundial de Alimentos, PMA, alertou para densas nuvens recentes no leste da África: Quênia, Etiópia e Somália são os países mais afetados. 

 atual crise de gafanhotos do deserto na África Oriental está ainda mais grave, segundo um alerta do Programa Mundial de Alimentos, PMA. 

Nesta terça-feira, a agência da ONU informou que as colheitas que ocorrem entre maio e junho podem ser prejudicadas afetando a segurança alimentar e a vida dos agricultores da região. 

70 anos 

O motivo é a grande densidade de nuvens registradas, em fevereiro, especialmente no Quênia, na Etiópia e na Somália. E, de acordo com o PMA, o mesmo ocorreu em países como Eritreia, Sudão do Sul, Tanzânia e Uganda. 

Um dos fatores que facilitam a praga de gafanhotos é a chuva que impulsiona a reprodução dos insetos.
Um dos fatores que facilitam a praga de gafanhotos é a chuva que impulsiona a reprodução dos insetos. , by FAO/Peterik Wiggers

O gafanhoto do deserto é a praga migratória considerada a mais perigosa do mundo. A invasão que começou, em 2019, é a pior registrada pelo Quênia nos últimos 70 anos. 

O PMA lembra que nem todos os 13 milhões de pessoas que enfrentam insegurança alimentar estão na rota dos gafanhotos. A maioria vive na Etiópia, no Quênia e na Somália, mas receia-se que 3,2 milhões venham a ser afetados em Uganda e Sudão do Sul. 

Estudos 

A agência atua em estudos que avaliam o impacto do aumento de gafanhotos na insegurança alimentar. O PMA destaca que é preciso apoiar as ações de prevenção e controle dos governos e da FAO. Com a destruição das colheitas, os gastos para combater a praga devem aumentar 15 vezes.  

A agência forneceu veículos aos governos que controlam as nuvens e deve participar de avaliações previstas para o final deste mês. 

No Sudão do Sul, a agência aumentou atividades de resposta para atingir até 5 milhões de pessoas este ano. Cerca de US$ 208 milhões serão necessários para uma operação eficaz. 

O PMA apoia atividades de vigilância e controle a nuvens de insetos que chegaram a quatro municípios em território sul-sudanês, o risco é que elas continuem se espalhando sem controle.  

Inundações 

A agência lembra que uma nuvem de gafanhotos pode ter 150 milhões de insetos por km2. Por dia, eles podem consumir alimentos que cheguem para  35 mil pessoas. O movimentou entre 100 a 150 km por dia estes se alastrem rapidez complicando as medidas de controle. 

No auge da temporada anual de escassez entre maio a julho prevê-se que 6,5 milhões de pessoas enfrentarão grave insegurança alimentar. O número corresponde a mais da metade da população do Sudão do Sul 

Algumas comunidades do país enfrentam fome severa em áreas afetadas por inundações em 2019. 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud