Mudanças no setor da construção civil podem ajudar a combater aquecimento global 
BR

13 março 2020

Quase 40% das emissões de gases de efeito estufa relacionadas à energia provêm da construção de novos edifícios; relatório propõe várias medidas para reduzir esses valores.

No grupo dos sete países mais industrializados do mundo, G-7, e na China, as emissões causadas pela construção de edifícios residenciais podem ser reduzidas em pelo menos 80% até 2050.  

A conclusão é de um novo relatório do Painel Internacional de Recursos do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, Pnuma.  

Emissões  

Menina em escola feita com tijolos reciclados, Unicef/Frank Dejongh

A pesquisa mostra que a extração e processamento de recursos naturais representam mais de 90% da perda global de biodiversidade e do estresse hídrico. Também é responsável por cerca de metade das emissões globais de gases de efeito estufa. 

No setor de construção civil, as emissões de gases de efeito estufa poderiam ser reduzidas em 350 milhões de toneladas na China, 270 milhões de toneladas na Índia e 170 milhões nos países do G-7, entre 2016 e 2060. 

Medidas 

O relatório propõe uma série de estratégias de eficiência material, como o uso de menos materiais, produtos alternativos ou reciclagem de materiais.  

Em nota, a chefe da Unidade de Cidades do Pnuma, Martina Otto, disse que "é necessária uma intervenção política com diferentes ângulos para alcançar essas mudanças." 

Otto afirma que “as políticas podem influenciar a maneira como as pessoas vivem, os materiais usados e como são usados.” Ela sugere, por exemplo, o fim dos subsídios ao uso de materiais virgens, que exigem extração e são usados pela primeira vez.  

A pesquisa recomenda outras estratégias como impostos, zoneamento e regulamentação do uso da terra, mas também mudanças nas preferências e comportamento do consumidor. 

Para Martina Otto, “os códigos e padrões de construção impulsionam o comportamento do setor da construção” e “podem incentivar ou restringir a eficiência e a reutilização dos materiais.” 

Resultados 

De acordo com o relatório, quase 40% das emissões de gases de efeito estufa relacionadas à energia são do setor de construção. 

Nos últimos anos, muita atenção foi dada à eficiência energética dos edifícios depois de construídos, mas também é preciso examinar os materiais usados durante a construção.  

Nos países do G-7 e na China, estratégias que tornam os materiais mais eficientes, incluindo reciclagem, podem reduzir as emissões na construção de edifícios residenciais de 80% a 100% até 2050. Na Índia, pode ficar entre 50% a 70%. 

Escolhas

Existem muitas opções para conseguir esses resultados.  

A madeira produzida de maneira sustentável, por exemplo, pode reduzir as emissões em 1% a 8% neste período. Segundo Martina Otto, “há uma variedade de novos produtos, como resíduos agrícolas, que podem ajudar.” A própria arquitetura dos edifícios pode ser melhorada para usar menos 8% a 10% de materiais.  

As medidas com maior impacto e menor custo incluem a utilização dos edifícios por mais horas durante o dia e a extensão da vida útil dos edifícios.  

No total, com todas essas medidas, poderiam ser evitadas entre 5 a 7 gigatoneladas de emissões nos países do G-7 até 2050.  Esse valor representa uma redução nas emissões causadas por construção, operações e desmantelamento de casas entre 35% a 40%. 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Unicef apoia primeira fábrica de tijolos feitos de plástico reciclado de África

Iniciativa na Cote d’Ivoire vai permitir construção de 500 salas de aula para mais de 25 mil crianças marfinenses; tijolos são resistentes ao fogo, 40% mais baratos, 20% mais leves e têm uma durabilidade superior em centenas de anos.