Chefe da ONU preocupado com crise política na Guiné-Bissau
BR

4 março 2020

Em nota, António Guterres disse que é preciso exercer máxima moderação e evitar medidas que levem à desestabilização após disputa eleitoral na segunda volta das eleições presidenciais de dezembro.

O secretário-geral da ONU está acompanhando com preocupação a crise institucional na Guiné-Bissau.

A situação foi causada pela disputa eleitoral que perdura no país desde a realização das eleições presidenciais em dezembro.

Moderação máxima

Em nota emitida pelo seu porta-voz, António Guterres pediu a todos os interessados no processo que esperem a decisão do Supremo Tribunal de Justiça. 

O chefe da ONU  disse ainda que é preciso exercer moderação máxima e tomar as medidas necessárias para evitar quaisquer atos que possam minar a paz e a estabilidade no país.
António Guterres reitera o compromisso das Nações Unidas com a Guiné-Bissau em seus esforços de consolidação da paz, da democracia e do desenvolvimento.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Conselho de Segurança renova último mandato de missão política na Guiné-Bissau

Resolução expressa preocupação com situação atual; órgão quer que partes envolvidas se abstenham de ações e declarações para atrapalhar processo político; Uniogbis foi criada em 1999 com o Escritório de Apoio à Construção da Paz da ONU na Guiné-Bissau.

ONU aponta desafios do processo pós-eleitoral na Guiné-Bissau

Conselho de Segurança ouviu representante especial do secretário-geral ao país de língua portuguesa, que citou “profunda desconfiança” entre políticos; Rosine Sori-Coulibaly pediu apoio da comunidade internacional enquanto país aguarda desfecho de eleição presidencial.