ONU: conflito no Afeganistão teve mais de 10 mil civis mortos e feridos pelo sexto ano consecutivo BR

Unama aponta relatos de assassinatos, maus-tratos, perseguição e discriminação
Foto: Unama/Fraidoon Poya
Unama aponta relatos de assassinatos, maus-tratos, perseguição e discriminação

ONU: conflito no Afeganistão teve mais de 10 mil civis mortos e feridos pelo sexto ano consecutivo

Paz e segurança

De acordo com relatório divulgado neste sábado, entre anos de 2010 e 2019, número de vítimas superou 100 mil; representante especial do secretário-geral para o Afeganistão disse que quase nenhum civil escapou de ser pessoalmente afetado de alguma forma pela violência no país. 

As partes envolvidas no conflito no Afeganistão mataram e feriram mais de 10 mil civis em 2019. A informação faz parte de um novo relatório das Nações Unidas que foi divulgado neste sábado, 22 de fevereiro, e que descreve níveis recordes e contínuos de danos aos civis no país.

 Mulheres e crianças deslocadas na província de Saripul, no norte do Afeganistão.
Mulheres e crianças deslocadas na província de Saripul, no norte do Afeganistão. Foto: Unama/Eric Kanalstein

Este é o sexto ano consecutivo que o número de vítimas civis ultrapassa 10 mil.

Década


O estudo documenta a morte de 3.403 civis e 6.989 feridos. Forças antigovernamentais seriam responsáveis pela maioria das vítimas. 

A ONU vem documentando o impacto da guerra nos civis no Afeganistão por mais de uma década. Entre os anos de 2010 e 2019, o número de vítimas superou os 100 mil. 

Violência 

O representante especial do secretário-geral para o Afeganistão, Tadamichi Yamamoto, disse que "quase nenhum civil no Afeganistão escapou de ser pessoalmente afetado de alguma forma pela violência" que ocorre no país. 

Yamamoto, que também é chefe da Missão de Assistência da ONU no Afeganistão, Unama, afirmou que “é absolutamente imperativo que todas as partes aproveitem o momento para parar os combates.” Ele destacou que “as vidas civis devem ser protegidas e esforços pela paz estão em andamento.”

Vítimas 

O relatório, produzido em conjunto pela Unama e pelo Escritório de Direitos Humanos da ONU, indica que houve uma queda  de 5% em relação ao ano anterior. Isso ocorreu principalmente devido à diminuição no número de vítimas civis causadas pelo Estado Islâmico do Iraque e pelo Levante, Isil. 

Já o índice de vítimas civis causadas pelas outras partes envolvidas no conflito aumentou. Em especial, pelo Taliban, que teve um aumento de 21%, e pelas forças militares internacionais, com um aumento de 18%. 

Recomendações

O relatório fez várias recomendações e lembrou as partes envolvidas que ataques deliberadamente contra civis ou infraestruturas civis são violações sérias do direito internacional humanitário, que equivalem a crimes de guerra.

A alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, alertou que todos “devem cumprir os princípios fundamentais de distinção, proporcionalidade e precaução para evitar vítimas civis.” Ela destacou que “os beligerantes devem tomar as medidas necessárias para impedir que mulheres, homens, meninos e meninas sejam mortos” por bombas e minas improvisadas e que “fazer o contrário é inaceitável. "

O relatório fez um apelo para que todas as partes envolvidas no conflito conduzam investigações rápidas, efetivas e transparentes sobre todas as alegações de violação do direito internacional dos direitos humanos e do direito internacional humanitário.