Secretário-geral participa de evento no Paquistão para prevenir poliomielite
BR

18 fevereiro 2020

Casos aumentaram 12 vezes em um ano; mais de 39 milhões de crianças serão imunizadas em campanhas de porta em porta neste mês; somente o Afeganistão e o Paquistão têm transmissão do póliovírus selvagem.

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, marcou o último dia da visita ao Paquistão reiterando seu apoio ao combate à poliomielite. O chefe da ONU acompanhou uma iniciativa contra a doença, nesta terça-feira, num jardim da infância na cidade de Lahore.

A doença é um dos maiores desafios do governo paquistanês, que lida com o ressurgimento do póliovírus selvagem. Somente num ano, o número de casos subiu de 12 para 144 detectados no final de 2019. De janeiro até agora, houve confirmação de 17 pacientes.

Secretário-Geral da ONU com alunos do jardim de infância, funcionários do governo e profissionais de saúde do Programa de Erradicação da Pólio no Paquistão durante sua visita a Lahore. Foto: ONU News/May Yaacoub

Porta em Porta

Além de testemunhar a campanha de vacinação, Guterres se solidarizou com os trabalhadores da linha de frente do Programa de Erradicação da Pólio no Paquistão.  

No jardim da infância, em Lahore, ele vacinou três menores.  

No total, 265 mil funcionários realizam campanhas de porta em porta para imunizar 39 milhões de crianças neste mês de fevereiro.

De acordo com as Nações Unidas, as mulheres são 65% desses trabalhadores e “essenciais para ajudar o programa a reunir membros da comunidade, pais e cuidadores em apoio à erradicação da poliomielite”.

Guterres elogiou os esforços atuais e destacou que a poliomielite é uma das doenças que podem ser eliminadas do mundo nos próximos anos. Para o secretário-geral, essa é uma prioridade da ONU e do Governo do Paquistão.

Eliminação

O chefe das Nações Unidas pediu aos líderes do país, incluindo religiosos e comunitários, que apoiem completamente às autoridades para garantir a eliminação total da poliomielite.

No evento, a ministra da Saúde do estado de Punjab, Yasmin Rashid, citou progressos, desafios e estratégias para conter a transmissão do vírus e eliminar a pólio.

Rashid disse que a parceria com a comunidade internacional revela a ação de uma “equipe sob o mesmo teto” que faz acreditar num Paquistão sem pólio.

A representante da OMS no Paquistão, Palitha Malipala, disse que o plano de combate à doença foi reestruturado e inclui a ação de políticos para responder ao aumento da transmissão do vírus.

Unicef/Asad Zaidi
Uma profissional de saúde vacina uma menina de 4 anos contra a poliomielite na porta de sua casa, na província de Lahore Punjab, no Paquistão.

Mundo livre

Ela afirmou que junto à parceria global contra a poliomielite, a agência da ONU apoia o país a lidar com os desafios e a implementar medidas robustas para garantir que as futuras gerações tenham um mundo livre da pólio.

Uma das prioridades no Paquistão é garantir a segurança dos profissionais de saúde para que estes não sejam alvos de ataques.

A OMS lembra que a região do Mediterrâneo Oriental é a única do mundo onde ainda ocorre a transmissão do vírus selvagem da pólio com casos confirmados no Afeganistão e no Paquistão.

A agência defende que a cooperação pode melhorar as operações para erradicar o vírus nos dois países e ter a região e o mundo livres da poliomielite.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

No Paquistão, chefe da ONU pede mais medidas globais sobre ODSs e mudança climática

António Guterres destaca que é preciso solidariedade apoiada por uma ação; secretário-geral quer caminhada sobre os trilhos em áreas como combate à fome, desigualdade, biodiversidade e ação climática.*

Guterres cita vulnerabilidade do Paquistão, mas destaca ambição em prol da ação climática

Secretário-geral reitera responsabilidade dos emissores de carbono e setores industriais em limitar aquecimento global em 1,5º C ; temas como refugiados, paz regional e ODSs dominam visita do chefe da ONU ao país asiático.