Síria vive “uma de suas piores crises” com 800 mil pessoas deslocadas
BR

14 fevereiro 2020

Escalada do conflito no noroeste do país árabe e temperaturas abaixo de zero agravam situação de civis; cerca de 80% dos forçados a fugir são mulheres e crianças.

As Nações Unidas alertaram que as populações do noroeste da Síria passam por uma das piores crises desde o início da guerra, há nove anos.

Crianças em um campo para deslocados em Idlib, norte da Síria. Foto: Ocha

De acordo com o Escritório da ONU de Assistência Humanitária, Ocha, mais de 800 mil pessoas tornaram-se deslocados internos. O motivo é a intensificação da violência, bombardeios e ataques em Idlib, desde dezembro. Cerca de 80% dos sírios forçados a deixar suas casas são mulheres e crianças.

Necessidades

Segundo o Escritório, as agências humanitárias fazem tudo o que podem, mas estão sobrecarregadas. O Ocha voltou a pedir o fim imediato da violência.

Algumas vítimas contaram que várias crianças morreram durante a caminhada por causa do frio.

Somente esta semana, mais de 140 mil pessoas tiveram que fugir enfrentando temperaturas de até -10 graus Celsius.

Milhões de sírios foram levados a abrigos sem o devido equipamento para receber grandes grupos.

Alimentos

Os desafios existem também para o Programa Mundial de Alimentação, PMA, que foi obrigado a interromper a entrega de comida por causa da insegurança. Com isso, comboios com suprimentos ficaram parados na estrada.

O diretor-regional do PMA, Muhannad Hadi, disse que está preocupado com a situação das famílias. A situação provocou um deslocamento significativo para o norte, perto da fronteira entre Síria e Turquia.

Desde janeiro, a agência ofereceu alimentos pré-cozidos a mais de 300 mil deslocados.

Todos os meses, a assistência distribuída pelo PMA e parceiros chega a quase 900 mil pessoas.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Coordenador humanitário descreve “escalada de catástrofe” na Síria

Mark Lowcock discursou ao Conselho de Segurança após o enviado especial Geir Pedersen; nos cinco primeiros dias deste mês, 49 pessoas foram mortas pela violência no país árabe.

No Conselho de Segurança, chefe humanitário faz novo alerta sobre crise na Síria

Segundo Mark Lowcock, mais de 1,5 mil civis foram mortos desde o início da escalada da violência em abril passado; mais da metade das vítimas eram mulheres e crianças; subsecretário-geral disse que sírios “se sentem totalmente abandonados pelo mundo