Afegãos formam “uma das maiores e mais antigas populações refugiadas do mundo”
BR

12 fevereiro 2020

Paquistão e o Irã oferecem abrigo a 90% de cidadãos do Afeganistão que abandonaram seu país durante 40 anos; afegãos lideram pedidos de asilo na Europa; conferência internacional quer apoiar cerca de 4,6 milhões de pessoas que vivem fora do território afegão.

A Agência da ONU para os Refugiados, Acnur, fez um apelo para que o mundo mantenha a esperança de milhões de pessoas afetadas por mais de quatro décadas de instabilidade no Afeganistão. 

Em nota lançada esta quarta-feira, em Genebra, a agência aponta questões como violência, guerra, conflito e desastres naturais que levaram à fuga destas pessoas para as nações vizinhas. Somente o Paquistão e o Irã acolhem 90% da população refugiada afegã e as comunidades anfitriãs também precisam de assistência.

Reconhecimento

Em território paquistanês vivem cerca de 1,4 milhão de cidadãos afegãos e cerca de 1 milhão habita terras iranianas. Estes locais de destino têm pouco reconhecimento e recebem cada vez menos apoio internacional, segundo o Acnur.

 Refugiados afegãos, que tomaram a difícil decisão de regressar voluntariamente ao Afeganistão.

Uma parceria entre a agência e o Governo do Paquistão realiza uma reunião ministerial sobre o tema em Islamabad, na próxima semana. A ideia é lembrar aos representantes internacionais da situação vivida por milhões de afegãos refugiados.

O Afeganistão tem 35 milhões de habitantes. Um quarto deles são ex-refugiados que retornaram ao país nos últimos 18 anos. Mais de 1 milhão de afegãos ainda vivem como deslocados em terras do Afeganistão.

Asilo

O Acnur aponta como “uma tendência preocupante”  que os afegãos sejam o maior grupo de requerentes de asilo na Europa. No total, cerca de 4,6 milhões de cidadãos deste país asiático vive no exterior.

A conferência internacional de 17 e 18 de fevereiro deverá destacar “a generosidade, hospitalidade e compaixão” dos países acolhedores da que é conhecida como “uma das maiores e mais antigas populações refugiadas no mundo”.

A agência revela ainda que esse evento será oportuno para promover solidariedade internacional e o compartilhamento das restrições para aliviar a pressão sobre países anfitriões e reintegrar refugiados afegãos em sua terra natal.

Para o Acnur, os esforços contínuos em prol de um acordo de paz no Afeganistão voltaram a dar esperança aos refugiados em relação a um possível retorno ao país. A agência pretende que a conferência do Paquistão seja um marco para essa fase.

Cidade de Gardez, província de Paktia, Afeganistão.
Unama/Fardin Waezi
Cidade de Gardez, província de Paktia, Afeganistão.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud