Afegãos formam “uma das maiores e mais antigas populações refugiadas do mundo”
BR

12 fevereiro 2020

Paquistão e o Irã oferecem abrigo a 90% de cidadãos do Afeganistão que abandonaram seu país durante 40 anos; afegãos lideram pedidos de asilo na Europa; conferência internacional quer apoiar cerca de 4,6 milhões de pessoas que vivem fora do território afegão.

A Agência da ONU para os Refugiados, Acnur, fez um apelo para que o mundo mantenha a esperança de milhões de pessoas afetadas por mais de quatro décadas de instabilidade no Afeganistão. 

Em nota lançada esta quarta-feira, em Genebra, a agência aponta questões como violência, guerra, conflito e desastres naturais que levaram à fuga destas pessoas para as nações vizinhas. Somente o Paquistão e o Irã acolhem 90% da população refugiada afegã e as comunidades anfitriãs também precisam de assistência.

Reconhecimento

Em território paquistanês vivem cerca de 1,4 milhão de cidadãos afegãos e cerca de 1 milhão habita terras iranianas. Estes locais de destino têm pouco reconhecimento e recebem cada vez menos apoio internacional, segundo o Acnur.

Uma parceria entre a agência e o Governo do Paquistão realiza uma reunião ministerial sobre o tema em Islamabad, na próxima semana. A ideia é lembrar aos representantes internacionais da situação vivida por milhões de afegãos refugiados.

O Afeganistão tem 35 milhões de habitantes. Um quarto deles são ex-refugiados que retornaram ao país nos últimos 18 anos. Mais de 1 milhão de afegãos ainda vivem como deslocados em terras do Afeganistão.

Asilo

O Acnur aponta como “uma tendência preocupante”  que os afegãos sejam o maior grupo de requerentes de asilo na Europa. No total, cerca de 4,6 milhões de cidadãos deste país asiático vive no exterior.

A conferência internacional de 17 e 18 de fevereiro deverá destacar “a generosidade, hospitalidade e compaixão” dos países acolhedores da que é conhecida como “uma das maiores e mais antigas populações refugiadas no mundo”.

A agência revela ainda que esse evento será oportuno para promover solidariedade internacional e o compartilhamento das restrições para aliviar a pressão sobre países anfitriões e reintegrar refugiados afegãos em sua terra natal.

Para o Acnur, os esforços contínuos em prol de um acordo de paz no Afeganistão voltaram a dar esperança aos refugiados em relação a um possível retorno ao país. A agência pretende que a conferência do Paquistão seja um marco para essa fase.

Unama/Fardin Waezi
Cidade de Gardez, província de Paktia, Afeganistão.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Missão da ONU no Afeganistão diz que 100 mil pessoas morreram em 10 anos

Chefe da Unama afirma que cidadãos afegãos devem ser incluídos na busca de uma solução de paz duradoura; Yamamoto diz que mulheres e jovens têm que continuar nas negociações.

Todos os dias, uma média de nove crianças são mortas ou mutiladas no Afeganistão

Relatório do Fundo das Nações Unidas para a Infância afirma que número de mortes infantis aumentou cerca de 11% desde 2018; para agência, país é a "a zona de guerra mais letal do mundo".