OMS preocupada com casos de coronavírus em pacientes que não estiveram na China
BR

10 fevereiro 2020

França e Reino Unido relataram incidências do tipo; chefe da agência alertou que propagação da doença respiratória pode acelerar, embora possa parecer lenta.

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde, OMS, Tedros Ghebreyesus, descreveu os casos de infecção pelo 2019-nCoV em pessoas que não viajaram à China, como os relatados na França e no Reino Unido, como sendo possivelmente a “ponta do iceberg”.

COBERTURA ESPECIAL: CORONAVÍRUS

A OMS está enviando kits de teste, máscaras, luvas, respiradores e aventais para todas as regiões do mundo. ONU News/Jing Zhang

Falando a jornalistas, em Genebra, o chefe da agência alertou que embora a propagação da doença respiratória possa parecer lenta, essa situação pode acelerar.

Contenção

Tedros destacou que "a detecção desse pequeno número de casos pode ser a faísca que se torna um incêndio maior, mas que por enquanto é apenas uma faísca.” Ele acrescentou que o “objetivo continua sendo a contenção” e fez um apelo para que todos os países usem a janela de oportunidade que existe no momento “para evitar um incêndio maior.”

Até a manhã desta segunda-feira em Genebra, haviam sido confirmados 40.235 casos do coronavírus na China, com 909 mortes. Fora do país, foram registradas 319 ocorrências em 24 países, com uma morte.

A OMS informou que o padrão geral não mudou, com 99% das incidências da doença relatadas na China. Tedros enfatizou que a maioria dos casos é leve e que cerca de 2% deles são fatais.

Especialistas

O chefe da agência observou que muitas perguntas ainda precisam ser respondidas. Entre elas, onde o surto está crescendo e onde está melhorando, ou piorando.

Como parte das medidas para coordenar uma resposta internacional à epidemia, no domingo, a OMS enviou uma equipe avançada de especialistas internacionais em epidemiologia a Pequim, para ajudar no combate ao surto.

O grupo é liderado pelo especialista em surtos, doutor Bruce Aylward, que recentemente coordenou a resposta da agência à epidemia de ebola na África Ocidental.

De acordo com Tedros, o trabalho da equipe será "estabelecer as bases" para uma equipe internacional maior de especialistas, que deve ir para a China.

Medidas

Outras medidas da OMS incluem equipar laboratórios em cerca de 14 países com kits para "diagnosticar rapidamente" infecções, incluindo a República Democrática do Congo, o Quênia, a Tunísia e a Zâmbia.

Até o momento, a OMS identificou 168 laboratórios como tendo a tecnologia certa para identificar o coronavírus.

Fórum

Nesta terça-feira, a Organização Mundial da Saúde, OMS, iniciará um Fórum Global de Pesquisa e Inovação para mobilizar ações internacionais em resposta ao novo coronavírus, o 2019-nCoV. O evento acontecerá em Genebra e encerrará  em 12 de fevereiro.

De acordo com a agência da ONU, o Fórum reunirá cientistas, agências de saúde pública, ministros da Saúde e responsáveis e financiadores de pesquisas, desenvolvimento de vacinas, terapias e diagnósticos.

Os participantes discutirão várias áreas, incluindo a identificação da fonte do vírus e o compartilhamento de amostras biológicas e sequências genéticas.

A expectativa é que a reunião leve a uma agenda de pesquisa global para o novo coronavírus, estabelecendo prioridades e estruturas que possam orientar quais projetos prioritários.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

OMS: coronavírus faz busca por equipamentos individuais dobrar e gera escassez no mercado

O preço de produtos como máscaras subiu 20%; apesar de queda no número de novas infecções na China, chefe da OMS diz que casos podem subir de novo; até a manhã desta sexta-feira, havia 31.211 infecções e 637 mortes

OMS acelera pesquisa e inovação para novo coronavírus

Agência realizará Fórum Global de Pesquisa e Inovação, na próxima semana, para mobilizar ações internacionais em resposta ao 2019-nCoV; evento reunirá cientistas, agência de saúde pública, ministros da Saúde e financiadores de pesquisas em Genebra.