Após deixar Angola, milhares de repatriados da RD Congo precisam de investimentos
BR

6 fevereiro 2020

Acnur quer mais apoio para operação de repatriamento que termina em março; mais da metade dos 37 mil refugiados congoleses que fugiram da violência na região congolesa de Kassai devem ser beneficiados pela iniciativa.

Milhares de pessoas repatriadas de Angola para a República Democrática do Congo, RD Congo, precisam de mais investimentos e apoio para melhorar a infraestrutura pública.

A Agência da ONU para Refugiados, Acnur, destacou esta quinta-feira que faltam soluções duradouras para que estas pessoas reiniciem as suas vidas em território congolês. As necessidades incluem escolas, centros de saúde e serviços sociais.

Refugiados

Para o Acnur,  esse tipo de assistência garantirá um retorno seguro e digno para uma população total de 19 mil refugiados congoleses, que passaram a voltar para as áreas de origem desde outubro do ano passado.

Congoleses no acampamento em Lóvua, Angola. , by Foto: Acnur/ Omotola Akindipe

A agência prestou apoio com dinheiro, registro e transporte como parte do acordo com os governos de Angola e RD Congo que termina no primeiro trimestre de 2020.

Pelo menos 37 mil congoleses entraram em Angola desde que iniciaram confrontos entre grupos armados e forças da RD Congo na região de Kassai, em 2017. Os combates obrigaram cerca de 1,4 milhão de pessoas a abandonar as suas casas.

Entre as razões que levaram os congoleses a decidir retornar ao seu país estão a melhora da situação de segurança, a realização das eleições presidenciais, o diálogo entre o Acnur e os beneficiários de apoio e o início do ano acadêmico.

Caminhada

No início da saída voluntária de Angola, os congoleses caminhavam durante dias e dormiam à beira das estradas com os seus pertences. Algumas famílias retornavam espontaneamente sem saber onde ir ou temendo voltar para as suas casas.

Um dos exemplos de retorno expontaneo é o de Rose, 54 anos. Ela decidiu voltar à RD Congo com o marido e os filhos antes do início dos comboios rumo ao território congolês organizados pelo Acnur e seus parceiros.

A ex-refugiada disse ter deixado o território angolano juntamente  com mulheres grávidas, idosos e pessoas em situação de fragilidade. Ao chegarem à RD Congo, eles receberam abrigo de algumas famílias e igrejas.

Assistência

Chadrack Neta perdeu um dos cinco filhos no conflito. Outra filha sobreviveu ao ataque de um grupo armado, caminha com apoio de muletas e precisa fazer uma cirurgia, raios-X e outros exames médicos. A esposa, que foi baleada, depende de ajuda.

Entre os casos de congoleses retornados que carecem de ajuda está Assiya, que vive na cidade congolesa de Tshikapa. Com o marido Moussa e três filhos, ela enfrenta  o dilema de buscar o que fazer após o fim do apoio do Acnur e das economias feitas em Angola.

ONU Angola
Milhares de refugiados congoleses retornam de Angola para a RD do Congo

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

ONU acompanha retorno de refugiados de Angola à República Democrática do Congo

Grupo retorna à região de Kasai após melhora da segurança; brasileiro que lidera operação da agência de refugiados acompanha grupo; chefe das Nações Unidas destaca exemplo positivo de acolhida em Angola.

Nações Unidas atuam para abrigar 5 mil congoleses que deixam o norte de Angola

Grupo de refugiados deixa voluntariamente o norte do país de língua portuguesa, onde esteve alojado após violência de grupos armados em Kassai; apoio inclui fundos, comida e outras condições para integração em zonas de origem na RD Congo.