Especialista em direitos humanos da ONU alerta para riscos enfrentados por defensores da terra e do meio ambiente no Peru
BR

5 fevereiro 2020

Após encerrar visita de 14 dias ao país, relator disse que defensores de direitos humanos "sofrem criminalização, assédio judicial, estigmatização, intimidação e uso excessivo da força policial durante protestos sociais.”

A crescente criminalização e estigmatização dos defensores dos direitos humanos e das comunidades locais no Peru por atores estatais e não-estatais precisa ser tratada com urgência.

O alerta foi feito, nesta terça-feira, pelo relator especial da ONU sobre a situação dos defensores dos direitos humanos, Michel Forst*.

Relator especial da ONU sobre a situação dos defensores dos direitos humanos, Michel Forst. Foto: ONU/Jean-Marc Ferré

Ameaças e ataques

Segundo o especialista, apesar dos ​​esforços do governo para proteger os defensores, existem padrões repetidos de ameaças e ataques contra eles em localidades e cidades como Cajamarca, Piura, Cuzco, Ucayali e Madre de Dios.

Após encerrar uma visita de 14 dias ao país, Forst disse que "eles sofrem criminalização, assédio judicial, estigmatização, intimidação e uso excessivo da força policial durante protestos sociais.”

Pressão

O relator explicou que “a crescente pressão sobre os recursos naturais coloca os defensores de direitos humanos em grande risco de danos por atores não-estatais, como empresas e redes criminosas.”

Fora isso, “as defensoras dos direitos humanos incluindo direitos sexuais e reprodutivos e os direitos Lgbti também enfrentam ataques de grupos conservadores e religiosos.” Jornalistas que revelam escândalos de corrupção são outros alvos.

Defensores

Forst se reuniu com cerca de 450 defensores de direitos humanos de várias regiões. E 40% eram mulheres.

Os defensores são descritos por diferentes setores como “terroristas”, “feministas”, “criminosos” ou “antidesenvolvimento”.

O especialista disse estar “preocupado com a falta de entendimento das autoridades estatais, empresas privadas e mídia sobre quem são os defensores dos direitos humanos.” Ele afirmou que “o papel vital dos defensores dos direitos humanos e sua contribuição para a sociedade devem ser reconhecidos.”

Recomendações

Para Forst, “nas áreas rurais, os conflitos sociais e ambientais estão intrinsecamente ligados aos padrões sistêmicos de discriminação e aos modelos insustentáveis ​​de exploração de recursos naturais, às custas dos direitos das comunidades afetadas e do meio ambiente.” Ele acrescentou que a “falta de consultas significativas, a corrupção e o papel de atores informais e criminosos são um terreno fértil para conflitos sociais e destruição ambiental."

No último dia de sua visita, o relator entregou uma declaração de fim de missão com uma série de recomendações.

*Os relatores de direitos humanos são independentes das Nações Unidas e não recebem salário pelo seu trabalho.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

ONU preocupada com morte de 107 defensores de direitos humanos na Colômbia

Escritório de Direitos Humanos investiga outros 13 casos do ano passado e 10 novos assassinatos nas primeiras duas semanas de 2020; grupos mais atingidos atuam na área dos direitos étnicos; ataques mortais a mulheres aumentaram 50% em um ano. 

Agências da ONU fecham acordo sobre proteção de ambientalistas e suas famílias

Pelo menos três ambientalistas são assassinados por semana em todo o mundo; para a alta comissária de direitos humanos, defesa de ativistas de direitos ambientais beneficia todas as sociedades.