Unicef diz que 700 crianças migrantes estão isoladas no México, perto dos EUA
BR

3 fevereiro 2020

Crianças e famílias de migrantes aguardam resposta de solicitações de asilo na cidade de Matamoros, no nordeste mexicano; Unicef amplia acesso aos serviços de proteção, psicossociais, água e saneamento na área.

O Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, estima que 2,2 mil migrantes e requerentes de asilo, incluindo 700 crianças, estejam isolados na cidade de Matamoros, que fica na fronteira com o México.

Crianças brincam em abrigo temporário na Cidade do México. Foto: Unicef/Luis Kelly

Eles aguardam que suas solicitações de asilo sejam analisadas pelo sistema judicial dos Estados Unidos.

Situação humanitária

Segundo a agência da ONU, muitas dessas crianças e famílias estão no local há semanas ou meses. A situação em que elas se encontram é difícil devido à insegurança e ao acesso limitado a serviços essenciais.

O Unicef no México está atuando na resposta à situação humanitária em Matamoros para ajudar as crianças e as famílias carentes. Esses esforços incluem a criação de espaços para os menores, fornecimento de apoio psicossocial e a coordenação de serviços de água, saneamento e higiene.

A agência da ONU faz um apelo para que as instituições mexicanas implementem o Protocolo para a Proteção das Crianças Migrantes, desenvolvido pelo governo.

Adolescentes

O Protocolo estabelece as intervenções necessárias que as instituições mexicanas devem fornecer quando uma criança migrante entra no território para garantir que seus direitos sejam cumpridos.

A vice-representante do Unicef no México, Pressia Arifin-Cabo, disse que a agência está “monitorando a situação das crianças e adolescentes migrantes em Matamoros” e que é preciso “garantir que elas sejam protegidas em seu local de origem, durante o trânsito e em direção ao seu destino final.” Ela alertou que é preciso “agir agora, porque as crianças não podem esperar.”

Arifin-Cabo destacou que "é importante que o Protocolo para a Proteção das Crianças Migrantes seja implementado pelo Governo do México o mais rapidamente possível."

Segundo ela, "existe uma incerteza sobre o que vai acontecer com essas crianças e adolescentes". E que além disso, a “instabilidade afeta o seu bem-estar e tem consequências para sua sobrevivência e desenvolvimento.”

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud