ONU prepara-se para estação de ciclones em Moçambique, que começa em março
BR

31 janeiro 2020

País de língua portuguesa está sendo afetado por chuvas fortes no norte e secas no sul, menos de um ano após a devastação causada pelos ciclones Idai e Kenneth; chefe do Sistema ONU no país, Myrta Kaulard, destaca necessidades de financiamento urgentes.

A estação de chuvas, que começou em dezembro em Moçambique, está trazendo fortes tempestades ao país. O alerta é da chefe das Nações Unidas em Moçambique, Myrta Kaulard.

Em entrevista à ONU News, de Maputo, ela afirma que a organização está se preparando para responder a uma estação de ciclones “muito forte” nos próximos meses.

Coordenadora residente da ONU em Moçambique, Myrta Kaulard, ONU News

Idai e Kenneth

A notícia chega poucos meses antes de a nação africana marcar o primeiro aniversário de um dos maiores desastres naturais de sua história: os ciclones Idai e Kenneth, que arrasaram Moçambique em março e abril passados.

Juntos, eles causaram mais de 640 mortes a afetaram pelo menos 2,2 milhões de pessoas.

Myrta Kaulard conta que o início das chuvas tem sido “muito intenso” e que os desastres naturais do ano passado dificultam a resposta.

“Isto torna estas populações muito mais vulneráveis do que em anos passados. Estamos muito preocupados. As previsões são de mais chuvas nas próximas semanas e isto é um desafio muito forte. Estamos então muito preocupados.”

Os últimos dados do Escritório de Assistência Humanitária da ONU, Ocha, revelam que as chuvas já afetaram perto de 68 mil pessoas, causando 45 mortes e 67 feridos.

Mais de 3,1 mil casas foram destruídas e 1,1 mil salas de aula danificadas, bem como 10 centros de saúde. Em resposta, as agências da ONU prestaram ajuda alimentar a mais de 82 mil famílias nas províncias de Gaza e Inhambane.

Secas

Por outro lado, no sul do país, as chuvas estão muito abaixo do normal, com um problema de seca que causa insegurança alimentar. Segundo a coordenadora residente, a ONU e os parceiros estão apoiando “várias centenas de milhares de pessoas.”

Aspeto da destruíção do ciclone Kenneth em Macomia, em Cabo Delgado, Foto ONU/Eskinder Debebe

Myrta Kaulard diz que “as Nações Unidas estão colaborando de forma muito próxima com as instituições nacionais”, que “estão a trabalhar muito bem”, evacuando pessoas que vivem em zonas de risco para evitar perdas de vidas.

Segundo a coordenadora, devido às secas e  às chuvas, os stocks de emergência já estão sendo utilizados, ainda antes do pico da época dos ciclones. Ela diz que isso é “uma fonte de preocupação.”

Neste momento, 2,5 milhões de moçambicanos precisam de ajuda humanitária urgente. Cerca de 1,9 milhão de pessoas necessitam ajuda alimentar, 765 mil famílias precisam de kits sanitários e mais de 115 mil famílias necessitam abrigos. 

“As prioridades das próximas oito semanas são alimentação, abrigos, água e saneamento. Estes são os elementos básico para poder salvar vidas e poder apoiar as necessidades primarias das populações.”

Myrta Kaulard afirma que a ONU está “correndo contra o tempo para mobilizar recursos, para comprar mais alimentos, mais abrigos e mais material para posicionar” antes da chegada da época dos ciclones.

Financiamento

O maior obstáculo a esse trabalho é o financiamento. A coordenadora diz que a ONU não tem, neste momento, os recursos necessários. O Plano de Resposta Humanitária para o país detalha uma necessidade urgente de US$ 120 milhões. Dentro desse total, US$ 25 milhões são necessários imediatamente.

“Deixo um pedido à comunidade internacional de sustentar o trabalho das Nações Unidas e das instituições moçambicanas para poder ajudar a população que pode ser afetada por chuvas, por secas e por ciclones nos próximos meses. “

Segundo a coordenadora residente, “as capacidades das instituições nacionais são limitadas” e, por isso, a comunidade internacional “tem uma responsabilidade de ajudar.”

Acompanhe o especial da ONU News sobre a reconstrução de Moçambique após o ciclone Idai.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Ocha: chuvas fortes e inundações mataram pelo menos 28 pessoas em Moçambique

Mais de 58,8 mil foram afetados; enchentes danificaram 10,2 mil casas a plantações; agência da ONU alertou que nível da água começou a subir nos distritos da cidade da Beira, Buzi e Nhamatanda, atingidos pelo ciclone Idai em março de 2019.