Guterres envia condolências ao Brasil após cheias no sudeste do país
BR

29 janeiro 2020

Em briefing a jornalistas, porta-voz do secretário-geral diz que as Nações Unidas estão em contato com o governo e prontas para apoiar o país; fortes chuvas e deslizamentos mataram pelo menos 56 pessoas e forçaram 29 mil a serem evacuadas.

O porta-voz do secretário-geral da ONU informou que as Nações Unidas ofereceram apoio ao Brasil após as cheias no sudeste do país.

No briefing diário a correspondentes, Stephane Dujarric informou que a ONU está em contato com o governo brasileiro e pronta para apoiar no que seja necessário.

O porta-voz do secretário-geral da ONU, Stephane Dujarric em declarações aos jornalistas na sede da ONU em Nova Iorque. Foto ONU: Manuel Elias

Deslizamentos

O Escritório de Assistência Humanitária das Nações Unidas, Ocha, informou que pelo menos 56 pessoas morreram e 29 mil tiveram que ser evacuadas para abrigos e outros locais seguros nas áreas mais afetadas dos estados de Minas Gerais e do Rio de Janeiro.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, enviou uma carta de condolências ao governo do presidente Jair Bolsonaro e ao povo brasileiro.

Ainda esta semana, as Nações Unidas informaram que estão apoiando Madagáscar, Irã e Moçambique após os impactos das cheias nesses países.

 

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Agências da ONU apoiam governos de Moçambique, Irã e Madagáscar após cheias

Fortes chuvas também atingiram a região sudeste do Brasil e o leste da Espanha causando a morte de dezenas de pessoas nos dois países; em Madagáscar, meteorologistas temem ponto alto da estação de ciclones entre fevereiro e março. 

Especial: general Costa Neves, novo comandante brasileiro na RD Congo

No dia 22 de janeiro, o general Costa Neves assume o comando na Missão das Nações Unidas na República Democrática do Congo, a Monusco. O militar brasileiro fala sobre os planos para comandar a maior missão de paz da ONU no mundo com 14 mil integrantes.