Guia da OMS revela que não é seguro utilizar cigarros eletrônicos
BR

24 janeiro 2020

A Organização Mundial da Saúde, OMS, divulgou lista de perguntas e respostas sobre o produto; agência diz que existem, cada vez mais, provas de danos aos pulmões; líquidos podem causar queimaduras, intoxicação e até explosões.

A Organização Mundial da Saúde, OMS, está alertando para os riscos do uso de cigarros eletrônicos.

A agência diz que existem muitos tipos destes produtos, conhecidos como sistemas eletrônicos de entrega de nicotina, Ends na sigla em inglês, e que os consumidores devem conhecer os riscos.

A OMS publicou uma lista de perguntas e respostas sobre consequências para a saúde, necessidade de legislação, impacto sobre os não-fumantes e outros temas.  

 

. Os cigarros eletrônicos são perigosos?

Para a agência, “não existem dúvidas” de que estes produtos “fazem mal à saúde e são inseguros, mas ainda é muito cedo para ter uma resposta clara sobre as consequências a longo prazo.”

Mas segundo a OMS, eles são “particularmente perigosos para adolescentes” porque “a nicotina é muito viciante e o cérebros dos jovens não estão completamente desenvolvidos” até por volta de 25 anos de idade. A OMS alerta ainda para o uso de grávidas e fumantes passivos.

Por fim, a agência diz que o líquido destes dispositivos pode causar queimaduras, intoxicação, além de pequenos incêndios e explosões.

 

. Eles causam danos aos pulmões?

A resposta da OMS é que existem cada vez mais provas desses danos.

No ano passado, o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos investigou o tema e concluiu que, até 10 de dezembro de 2019, 2409 hospitalizações e 52 mortes haviam sido registradas. Pelo menos cinco outro países lançaram investigações semelhantes.

 

. São mais perigosos do que cigarros normais?

Segundo a agência da ONU, isso “depende de um conjunto de fatores, como a quantidade de nicotina e outras substâncias, mas representam riscos claros para a saúde e não são, de forma alguma, seguros.”

 

.Causam vicio?

A resposta é sim. A nicotina é altamente viciante e cigarros eletrônicos funcionam através da inalação de um aerossol que contém nicotina.

 

.São perigosos para os não fumantes?

Sim, os aerossóis têm substâncias tóxicas, como glicol, que é usado para fazer anticongelantes. As emissões são perigosas para quem fuma e para quem está perto.

 

.Devem ser banidos?

A OMS afirma que “os países podem decidir proibir os Ends”. Nesse momento, estes dispositivos estão proibidos em cerca de 30 países e, segundo a agência, “cada vez mais Estados consideram essa opção para proteger os jovens.”

 

Devem ser regulados?

A agência da ONU diz que sim, mas que “os países devem implementar medidas que se adaptaram melhor ao seu contexto nacional.”

As regulações devem impedir a promoção destes produtos, reduzir os riscos para usuários, proibir a circulação de informação falsa ou não comprovada e proteger os esforços contra tabaco.

Existem cerca de 15 mil sabores destes cigarros, incluindo chiclete e algodão doce, usados para atrair os mais jovens. Segundo a OMS, os governos devem restringir a publicidade e promoção para esta população.

O uso em locais de trabalho e dentro de edifícios também deve ser proibido. Estes produtos devem pagar os mesmos impostos que o tabaco.

 

.Ajudam a parar de fumar?

A agência afirma que “não existem provas suficientes que apoiem o seu uso para parar de fumar.”

Para quem deseja parar de fumar, a OMS afirma que “existem outros produtos, mais seguros, testados e licenciados”, como substitutos de nicotina.

 

.O que a OMS está a fazer?

A agência da ONU está avaliando todos os dados sobre estes produtos e oferecendo orientação para governos e para o público.

Esse trabalho inclui o relatório bianual sobre a Epidemia Global de Tabaco, que apresenta os dados mais recentes sobre o consumo e as melhores formas de o combater.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

OMS diz que fumar aumenta risco de complicações após cirurgias

Novo relatório mostra que quatro semanas sem fumar são suficientes para melhorar resultados; adiar operações que não sejam de emergência para que o paciente deixe de fumar tem vantagens.

OMS: “mundo está ficando sem opções para combater super bactérias”

Agência alerta sobre as consequências de fraco investimento para produzir novos antibióticos; diretor-geral pede financiamento mais sustentável e inovação na fabricação desses medicamentos.