ONU prepara plano de ação para combater violência a civis na RD Congo
BR

21 janeiro 2020

Iniciativa é baseada em relatório escrito pelo general brasileiro Carlos Alberto dos Santos Cruz; mais de 260 civis, principalmente mulheres e crianças, foram mortos nos últimos dois meses do ano pelo grupo armado ADF.

O Departamento de Operações de Paz da ONU está desenvolvendo um Plano de Ação para combater ataques a civis na área de Béni, na província de Kivu Norte, na República Democrática do Congo.

A medida é baseada no relatório do general brasileiro Carlos Alberto dos Santos Cruz entregue à ONU esta semana.

General Santos Cruz durante uma missão de observação com observadores militares no Monte Munigi, ONU/Sylvain Liechti

Objetivo

Em entrevista à ONU News, Santos Cruz afirmou que a avaliação “fala sobre as dificuldades para vencer as barbaridades” cometidas pelas Forças Democráticas Aliadas, ADF na sigla em inglês, um grupo armado que atua na região.

“Esse aí é um conflito que não tem o risco de escalada. O que ele tem o risco é da ADF cometer crimes bárbaros, como vem fazendo. Mais de 200 pessoas mortas em dois meses, com requintes de crueldade. Com inclusive crianças pequenas mortas com facões e machados. Uma coisa bárbara. Então, não é uma questão de escalada, é uma questão de contenção desse grupo que é uma mistura de fundamentalismo, com grupo armado e crime organizado também.”

Sugestões

A avaliação concluiu que a proteção de civis requer uma resposta abrangente, envolvendo todos os componentes da Missão da ONU, Monusco, da Equipe Nacional da ONU na RD Congo e outros parceiros.

A avaliação de Santos Cruz recomenda que todas as partes “coordenem suas ações para melhorar a mentalidade, as capacidades e a mobilidade da Brigada de Intervenção da Monusco.”

Segundo o estudo, essa cooperação reforçada “é essencial para sustentar os ganhos obtidos pelo exército congolês” durante a última ofensiva.

Além das operações militares, a avaliação recomenda uma estratégia abrangente entre o governo e a Monusco, no nível político.

Avaliação  

O relatório foi encomendado em dezembro pelo subsecretário-geral da ONU para Operações de Paz, Jean-Pierre Lacroix.

A equipe de avaliação incluiu especialistas em política, forças armadas e logística. O documento também traz sugestões sobre os ataques contra os trabalhadores humanitários que integram a resposta ao ebola.

Os especialistas concluíram que, apenas nos meses de novembro e dezembro, mais de 260 civis, principalmente mulheres e crianças, foram mortos por combatentes da ADF em ataques brutais, principalmente à noite.

A avaliação concluiu ainda que o alto número de vítimas foi uma das causas principais das manifestações contra a Monusco, no Kivu Norte, incluindo a destruição e saque de um escritório da Missão, em Beni, em 25 de novembro.

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Especial: Santos Cruz fala sobre missão à República Democrática do Congo

General brasileiro que comandou as forças de paz da ONU no país africano, Monusco, conversa com Eleutério Guevane sobre o trabalho da ONU no terreno, esforços para consolidação da paz na RD Congo, contribuição de mulheres às tropas e cooperação regional.