Conselho de Segurança adota resolução sobre passagem de ajuda humanitária na Síria
BR

11 janeiro 2020

Órgão apreciou dois projetos de resolução autorizando o acesso entre fronteiras para entrega de auxílio a sírios que vivem no noroeste e no nordeste do país árabe; decisão final reduz número de cruzamentos de quatro para apenas dois.

Os 15 países-membros do Conselho de Segurança aprovaram a continuação de entrega de ajuda humanitária em áreas de fronteira com a Síria.  Na noite de sexta-feira, o Conselho adotou uma resolução, preparada pela Alemanha e pela Bélgica que reduz o número de cruzamentos abertos entre fronteiras de quatro para dois.

As Nações Unidas têm um mecanismo para fazer passar o auxílio para sírios que vivem nessas áreas, mas o mandato tem de ser aprovado pelo Conselho.

Seis meses

O texto final recebeu 11 votos a favor e quatro abstenções: China, Estados Unidos, Reino Unido e Rússia.

Em dezembro, o órgão não conseguiu adotar uma resolução sobre o tema por causa do veto da Rússia e da China.

Segundo analistas,  o principal ponto de divergência é a questão do cruzamento Al Yarubiyah, na fronteira com o Iraque. No texto da resolução adotada, na sexta-feira, o cruzamento al-Ramtha, na fronteira jordaniana, permanece fechado.

Os cruzamentos abertos são Bab al-Salam e Bab Al-Hawa que estão entre Síria e Turquia foram autorizados para um período de seis meses.

Conselho de Segurança debateu pontos de entrada da ajuda humanitária na Síria, Foto ONU/Eskinder Debebe

Mecanismo

O mecanismo das Nações Unidas para entrega de ajuda humanitária foi estabelecido em 2014 na resolução 2165, mas precisa de aprovação do Conselho de Segurança para funcionar.

A resolução, redigida em 20 de dezembro, estabelece  uma extensão de seis meses que podem ser renovados por mais seis, caso o Conselho concorde.

No mês passado, o texto foi colocado à votação e recebeu 13 votos a favor, mas foi vetado por China e Rússia, países com assentos permanentes no órgão.

Importância

Ao ser perguntado por correspondentes, na quinta-feira, o porta-voz do secretário-geral, Stephane Dujarric, lembrou que não há outra maneira de alcançar as pessoas que precisam da ajuda no noroeste e no nordeste da Síria sem uma passagem entre as fronteiras.

Ele afirmou esperar que os membros do Conselho de Segurança possam chegar a um acordo para algum tipo de resolução que garanta a entrega de ajuda humanitária.

Dujarric disse ainda que a situação humanitária seria pior caso não houvesse a abertura para operações através das fronteiras.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, afirmou que com a expiração do mandato, a operação humanitária na fronteira teria que ser encerrada até que uma nova resolução fosse aprovada autorizando a operação.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Mais de 300 mil sírios fugiram dos conflitos em Idlib no último mês

Vice-coordenador humanitário da ONU no país alertou para aumento dos conflitos em região que acolhe deslocados de toda a Síria; representante afirmou que alvos civis, como escolas e hospitais, continuam sendo atingidos.