ONU no Iraque diz que país não pode pagar preço de rivalidades externas
BR

8 janeiro 2020

Missão das Nações Unidas no país, Unami, condenou o ataque às bases militares dos Estados Unidos nas cidades de Erbil e Anbar; ofensiva foi realizada pelo Irã após a morte de seu comandante militar num ataque americano, na semana passada.

O ataque do Irã a duas bases militares americanas no Iraque apenas servem para escalar o conflito, e mais uma vez, violar a soberania iraquiana.

A declaração consta de um tuíte publicado pela Missão da ONU no Iraque, Unami, horas após a ofensiva do Irã às bases de Erbil e Anbar.

Edifícios destruídos em Multaqa, no Iraque, Unami

Diálogo

A Unami afirmou que “A violência sem sentido tem efeitos previsíveis”.

A Missão da ONU no Iraque pediu moderação imediata por parte de todos e a retomada do diálogo.

Para a Unami, o Iraque não deve pagar o preço de rivalidades externas.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, emitiu uma nota a líderes de todo o mundo dizendo que tinha uma mensagem simples para eles, que parassem com a escalada, exercessem moderação máxima e que retomassem o diálogo.

Guterres disse ainda que era preciso renovar a cooperação internacional. Na segunda-feira, ele fez um apelo por diálogo e disse que o mundo não pode esquecer do “terrível sofrimento causado por uma guerra”.

O secretário-geral da ONU afirmou que é dever de todos evitar uma guerra no Golfo com a qual o mundo não pode arcar. E finalizou lembrando que são as pessoas que pagam o maior preço nesta equação.

 

 

 

 

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Guterres afirma que “é dever de todos” evitar sofrimento causado por uma guerra

Secretário-geral fez declaração a jornalistas, em Nova Iorque, e falou sobre guerra, terrorismo, mudança climática e desigualdade; para o chefe da ONU, tensões geopolíticas “estão no nível mais alto desde o início do século.”