Surto de sarampo mata mais de 6 mil na República Democrática do Congo
BR

8 janeiro 2020

OMS pede mais fundos para conter a onda de contaminação; ação do governo com parceiros imunizou mais de 18 milhões de crianças menores de cinco anos; agentes de saúde recém-treinados estão chegando às áreas mais afetadas esta semana.

Um surto de sarampo na República Democrática do Congo matou mais de 6 mil pessoas. Desde o início do ano passado, foram notificados 310 mil suspeitas de sarampo.

A Organização Mundial da Saúde aliada ao governo congolês e outros parceiros estão buscando US$ 40 milhões para ampliar a campanha de imunização a crianças entre 5 e 14 anos.

A Organização Mundial da Saúde aliada ao governo congolês e outros parceiros estão buscando US$ 40 milhões para ampliar a campanha de imunização a crianças entre 5 e 14 anos. Foto: OMS

Iniciativa

Em 2019, a iniciativa que conta com o apoio da Aliança Global de Vacinação Gavi, imunizou mais de 18 milhões de menores de cinco anos.

Para a OMS, sem os fundos necessários não será possível conter o novo surto de sarampo.

A diretora regional da OMS na África, Matshidiso Moeti, contou que a agência está fazendo todo o possível para controlar a epidemia. E lembrou que nenhuma criança precisa morrer de uma doença que é evitável com a vacina. Moeti pediu aos parceiros da OMS que aumentem a assistência.

A infecção se espalhou após uma queda dos níveis de imunização em algumas comunidades da RD Congo além de um sistema de saúde precário, outros surtos, má nutrição e da dificuldade de acesso a áreas consideradas inseguras.

OMS
A diretora regional da OMS na África, Matshidiso Moeti, pediu aos parceiros da OMS que aumentem a assistência.

Doadores

Em algumas áreas, a cobertura de vacinação continua baixa. Cerca de 25% dos casos notificados são em crianças maiores de cinco anos.

Até o momento, a RD Congo recebeu US$ 27,6 milhões para controlar o surto de sarampo. A OMS reconheceu o empenho do governo no combate ao surto e o apoio dos doadores. Mas disse que é preciso fazer ainda mais.

A Proteção Civil Europeia, a Aliança Gavi, as organizações Médicos do Mundo e Médicos sem Fronteiras, Unicef e OMS, além de outros parceiros estão apoiando o governo na tentativa de controlar a epidemia de sarampo.

Somente no mês passado, a OMS formou 60 agentes de saúde do Ministério da Saúde congolês para realizar uma série de serviços com a participação comunitária, educação e vigilância.

Os agentes estão sendo despachados para o terreno esta semana como parte da resposta coletiva.

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Nações Unidas renovam mandato de missão de paz na RD Congo até 2020

Conselho de Segurança decidiu que período de transição na maior operação de paz da ONU no mundo deve durar três anos; operação deve ter menos 1.650 soldados; a Monusco já teve mais de 16 mil boinas-azuis.

Casos de ebola voltam a aumentar na República Democrática do Congo

Violência e ataques obrigaram a diminuir a resposta das agências humanitárias; desde o início do surto, em agosto do ano passado, mais de 2,2 mil pessoas morreram da doença.