Secretário-geral da ONU diz que mundo não pode ter outra guerra no Golfo 
BR

3 janeiro 2020

Em comunicado, António Guterres afirmou estar “profundamente preocupado” com a situação na região; na quinta-feira, um ataque ao Aeroporto de Bagdá, no Iraque, matou oito pessoas, entre elas o chefe militar do Irã, o general Qasem Soleimani.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, está “profundamente preocupado com a recente escalada” de tensões na região do Golfo. 

Em nota emitida pelo seu porta-voz, o chefe das Nações Unidas lembrou que “tem defendido de forma consistente” que é preciso acalmar a situação.  

Pedido 

Segundo ele, “este é um momento em que os líderes devem exercer máxima moderação.” 

António Guterres termina a nota dizendo que “o mundo não pode arcar com outra guerra no Golfo.” 

Na sua conta oficial no Twitter, a representante especial do secretário-geral da ONU para o Iraque, Jeanine Hennis-Plasschaert, também reagiu à notícia. 

Ela pediu contenção de todas as partes para “evitar outro ciclo arrasador de violência e instabilidade regional." Segundo a represenante, "o Iraque é palco de lutas pelo poder há demasiado tempo" e os iraquianos "merecem estabilidade e paz.”  

Ataque  

Segundo agências de notícias, o general iraniano Qasem Soleimani, líder da força de elite da Guarda Revolucionária, o líder militar máximo do Irã, foi morto na quinta-feira durante um ataque dos Estados Unidos ao Aeroporto de Bagdá, no Iraque, que matou pelo menos oito pessoas.    

O aiatolá Ali Khamenei decretou três dias de luto nacional no Irã e afirmou que haverá uma "severa vingança". 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Irã: Bachelet alerta para violações de direitos humanos em protestos em que já morreram mais de 208 pessoas

Escritório de Direitos Humanos da ONU diz que pelo menos 7 mil iranianos foram presos em 28 das 31 províncias do país; alta comissária pede “investigações imediatas, independentes e imparciais sobre todas violações.”