Enviado especial da ONU pede “maturidade e moderação” após resultado de eleições na Guiné-Bissau BR

Chambas esteve no país acompanhando as atividades do pleito entre durante três dias.
ONU/Rick Bajornas
Chambas esteve no país acompanhando as atividades do pleito entre durante três dias.

Enviado especial da ONU pede “maturidade e moderação” após resultado de eleições na Guiné-Bissau

Assuntos da ONU

Autoridades eleitorais anunciaram vitória do ex-primeirio-ministro e general reformado Umaro Sissoco Embaló no pleito de 29 de dezembro; presidente eleito do partido Movimento para a Alternância Democrática, Madem-G15, obteve 53, 55% dos votos; votação teve quase um terço de abstenções; ganhador do primeiro turno, Domingos Simões Pereira, do maior partido político guineense, Paigc, obteve 46,45% dos votos válidos. 

O enviado especial do secretário-geral à África Ocidental, Mohamed Ibn Chambas, felicitou a Comissão Eleitoral da Guiné-Bissau pelo anúncio dos resultados das eleições presidenciais de 29 de dezembro. 

Nesta quinta-feira, o órgão proclamou o candidato Umaro Sissoco Embaló do Movimento para a Alternância Democrática, Madem-G15, como vencedor da corrida eleitoral. 

Clima  

Monitor eleitoral na Guiné-Bissau. Enviado disse que Comissão Eleitoral teve uma condução exemplar do processo.

O presidente-eleito é major-general na reserva e antigo primeiro-ministro. Ele obteve 53,55% dos votos válidos após disputar a segunda volta com o também ex-primeiro-ministro Domingos Simões Pereira que obteve 46,45%. Simões Pereira era o candidato do maior partido político da Guiné-Bissau, Paigc, é foi o vencedor do primeiro turno com mais de 40% dos votos válidos.

De acordo com autoridades eleitorais, o índice de abstenção foi de mais de 27% e superior ao do primeiro turno, quando um quarto dos eleitores não compareceu às urnas. 

Chambas esteve no país acompanhando as atividades do pleito entre 28 a 31 de dezembro. O enviado elogiou os guineenses pelo “bom andamento das eleições e pelo clima pacífico que prevaleceu durante todo o processo eleitoral”. 

O também chefe do Escritório da ONU para a África Ocidental e o Sahel, Unowas, elogiou os dois candidatos pela “tolerância e elegância em aceitar os resultados”. O representante apelou ainda a todos os membros das forças políticas que continuem mostrando “maturidade e moderação durante esse período pós-eleitoral”.

Denúncias

De acordo com agências de notícias, logo após o resultado, na quarta-feira, candidato derrotado Domingos Simões Pereira contestou a apuração afirmando que houve denúncias de irregularidades em algumas partes do país. Ele disse que levará o tema à liderança do Paigc para estudar que providências jurídicas a tomar.

Mulher nos arredores de Bissau vota nas eleições legislativas.


Nesta quinta-feira, Simões Pereira publicou numa rede social que “está em paz” consigo próprio com sua consciência e sua razão. Ele afirmou que sua agenda é a Guiné-Bissau e que a luta irá coninuar. 

Desenvolvimento 

A nota do enviado especial da ONU destaca que  a Comissão Eleitoral teve uma condução exemplar do processo, o que segundo Chambas “marca um importante passo à frente no desenvolvimento democrático da Guiné-Bissau”. 

O enviado concluiu reiterando o compromisso das Nações Unidas de continuar a apoiar o governo e o povo da Guiné-Bissau em seus esforços para consolidar a paz e o desenvolvimento na nação africana de língua portuguesa.

Pós-eleições na Guiné-Bissau