Missão da ONU no Afeganistão diz que 100 mil pessoas morreram em 10 anos
BR

26 dezembro 2019

Chefe da Unama afirma que cidadãos afegãos devem ser incluídos na busca de uma solução de paz duradoura; Yamamoto diz que mulheres e jovens têm que continuar nas negociações.

Cerca de 100 mil pessoas foram mortas no conflito do Afeganistão nos últimos 10 anos. O levantamento foi divulgado, nesta quinta-feira, pela Missão das Nações Unidas no país, Unama.

Em Cabul, capital afegã, o enviado especial do secretário-geral, Tadamichi Yamamoto, afirmou que a paz é crucial para o futuro do Afeganistão. Segundo ele, a guerra continua “afetando terrivelmente os civis”.

Vítimas

A Missão da ONU começou a registrar o número de vítimas do conflito em 2009.

Tadamichi Yamamoto disse que fim da guerra trará uma esperança real para um futuro próspero no Afeganistão., by Fardin Waezi / Unama

Yamamoto assegurou que as Nações Unidas continuarão empenhadas em apoiar um processo de paz inclusivo e liderado pelo Afeganistão, onde são defendidos os direitos humanos de todos os cidadãos.

Importância

O país espera o anúncio oficial do vencedor das eleições presidenciais deste ano. Para Yamamoto, seja qual for o resultado do pleito “a paz será uma questão de grande importância para o novo governo”.

O chefe da Unama pediu a todos os afegãos, políticos ou não, que tomem “medidas genuínas e concretas para acabar com a guerra”. Ele descartou qualquer solução militar.

A ONU apoia as negociações intra-afegãs destacando a inclusão de mulheres e jovens que Yamamoto considera ser “essenciais para o processo de paz e fundamentais para todos os esforços”.

As Nações Unidas ajudam a implementar outras iniciativas locais em prol da paz e várias ações para apoiar a resolução pacífica de disputas sobre terra, água e outros recursos essenciais.

Fim da Guerra

Yamamoto destaca que somente com o fim da guerra é que haverá uma esperança real para um futuro próspero no Afeganistão. Ele sugere ainda o papel importante daqueles que tentam alcançar um acordo político duradouro.

Segundo a ONU, é preciso considerar os milhões de cidadãos afegãos, especialmente as vítimas do conflito, que procuram a paz para reconstruir suas vidas.

Outro pedido da Unama é que se busquem formas para baixar os níveis da violência, especialmente aos civis “enquanto se procura um acordo político duradouro e um cessar-fogo permanente”.

Yamamoto afirmou que junto às medidas para reduzir a violência é importante criar um ambiente que promova negociações construtivas de paz entre os afegãos.

Unama/Fardin Waezi
Missão de Assistência da ONU no Afeganistão, Unama.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Todos os dias, uma média de nove crianças são mortas ou mutiladas no Afeganistão

Relatório do Fundo das Nações Unidas para a Infância afirma que número de mortes infantis aumentou cerca de 11% desde 2018; para agência, país é a "a zona de guerra mais letal do mundo".

Guterres condena atentado que matou funcionário da ONU no Afeganistão

Secretário-geral enviou condolências à família da vítima fatal e desejou pronta recuperação aos dois feridos no ataque, em Cabul; ele disse que a organização continua comprometida no apoio ao governo e ao povo afegãos.