Suplementação de vitamina A chega a milhões de crianças em Moçambique

20 dezembro 2019

Unicef apoia iniciativa financiada pelo Governo do Canadá; meta da campanha é abranger  4 milhões de crianças em todo o país;  na província de Maputo, ONU News acompanhou o processo que deve chegar a 330 mil crianças.*

Moçambique quer salvar mais crianças oferecendo a suplementação de Vitamina A para mais de 4 milhões de beneficiários. A iniciativa do governo moçambicano tem o apoio do Fundo das Nações Unidas para Infância, Unicef, e o financiamento do Canadá.

A agência da ONU e o Ministério da Saúde enviaram técnicos para acompanhar este processo no Centro de Saúde do Distrito da Moamba, no momento da contagem regressiva para o ano novo.

Suplementação abrange 85 distritos das províncias de Nampula, Zambézia, Tete, Manica e Sofala. Foto: Foto ONU/Eskinder Debebe

Crianças

A meta da província de Maputo é vacinar pouco mais de 8% do total dos beneficiários da iniciativa nacional durante o ano.

Falando a jornalistas, a especialista de nutrição no Unicef, Sónia Khan, explicou a importância da vitamina A para o funcionamento do corpo humano.

“A vitamina A é dada a crianças de 6 aos 59 meses que perfazem a cerca de 16% da população. Isso corresponde a mais ou menos 4 milhões de crianças por ano que precisam ser suplementadas pela vitamina A. Nós temos um apoio para este programa do Global Affairs Canada avaliado em cerca de US$ 4 milhões para 4 anos.”

Moamba é um dos distritos da província de Maputo onde a cobertura anual de suplementação com Vitamina A teve um aumento no segundo semestre de 2018. A taxa foi de 86%, comparada aos 34% de igual período de 2017.

Comunidade

A nutricionista da Direção Provincial de Saúde, Hermínia Tivane, disse que o método praticado no distrito pretende responder às caraterísticas e necessidades locais.

“Nós estamos a sensibilizar, porque há comunidades que ainda não levam a suplementação como um assunto importante. Por isso, sensibilizamos a comunidade já estamos ao alcance das nossas metas. A nível da província de Maputo temos uma meta estabelecida. Temos uma meta de 331 mil crianças a serem suplementadas durante todo ano. Ate final do ano a meta é de 95%.”

A atividade de imunização faz parte do Objetivos de Desenvolvimento Sustentável número 2, ODS 2. A previsão é “acabar com a Fome, alcançar a segurança alimentar e nutrição melhorada e promover agricultura sustentável”.

De acordo com os parceiros da iniciativa, é nesse contexto que os esforços de suplementação têm sido intensificados na parceria entre os governos de Moçambique e Canadá com o apoio do Unicef.

Desafios

“Nós temos os postos fixos e as brigadas móveis. Nos postos fixos estão os profissionais que todos os dias fazem a suplementação. Também temos os APEs, agentes polivalentes que estão na comunidade. Eles estão lá para poder suplementar às crianças, porque nós sabemos que a unidade sanitária muitas vezes não consegue alcançar todas as comunidades por causa dos meios.”

Entre os vários desafios para o sucesso dos ODSs, Moçambique deve acabar com todas as formas de desnutrição e assegurar as necessidades nutricionais das meninas, adolescentes, mulheres grávidas, lactantes e idosos até 2030.

Com apoio da agência governamental Global Affairs Canada, a suplementação abrange 85 distritos das províncias de Nampula, Zambézia, Tete, Manica e Sofala.

 

*De Maputo para ONU News, Ouri Pota

 

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Conferência em Moçambique adota plano de ação para ajudar 5 milhões de raparigas do país

Centenas de jovens participaram na 6ª Conferência Nacional da Rapariga de Moçambique, que terminou esta quarta-feira; altas taxas de analfabetismo, desnutrição e casamento precoce ainda são preocupações.

Guterres destaca exemplo de Moçambique para mostrar importância de fundo de emergência da ONU

Em 2019, fundo permitiu mobilizar US$ 20 milhões poucas horas depois do ciclone Idai atingir o país lusófono; esse ano, pessoas de 44 países foram ajudadas; Assembleia Geral pretende angariar US$ 1 bilhão para atividades em 2020.