Jards Macalé relembra show da Declaração dos Direitos Humanos na época da ditadura militar
BR

10 dezembro 2019

Músico brasileiro falou com exclusividade para ONU News; evento aconteceu no Rio de Janeiro, nos anos 70, com o apoio das Nações Unidas; Declaração Universal dos Direitos Humanos completa 71 anos nesta terça -feira.

Em 1973, a cidade do Rio de Janeiro, no Brasil, recebeu um show que celebrava o aniversário de 25 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos, durante o período da ditadura militar.

O show “Direitos Humanos no Banquete dos Mendigos” foi organizado pelo músico e compositor brasileiro Jards Macalé e o artista Xico Chaves, com o apoio da ONU no Brasil.

ONU News/Daniela Gross
Show da Declaração Universal dos Direitos Humanos foi lançado em disco, mas censurado na época.

Lembranças

Para celebrar o 71º aniversário da Declaração Universal dos Direitos Humanos, nesta terça-feira, 10 de dezembro, Jards Macalé relembra o show que aconteceu há exatamente 46 anos, no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro.

Macalé conta que convenceu diversos artistas brasileiros a se juntarem à iniciativa da ONU. Participaram do show Paulinho da Viola, Gal Costa, Gonzaguinha, Chico Buarque, Raul Seixas, Jorge Mautner, Luiz Melodia e Milton Nascimento, entre outros.

“Fomos para a casa do Chico Buarque de Holanda, na Lagoa, e fomos ler toda a carta e escolher alguns artigos, porque se não iria ficar uma loucura, porque ela é enorme. Então começamos a fazer, todos em volta de uma mesa, escolhendo os artigos e votando. E fizemos uma síntese da carta”.

Proibição 

O show foi gravado e um disco ao vivo chegou a ser distribuído para venda, mas acabou sendo censurado pela ditadura antes de chegar às lojas.

“Foi censurado e, na verdade, foi proibido em todo o território nacional. Foi proibido durante cinco anos. Só na época do Ernesto Geisel que liberaram a área, um pouco. Aí aproveitamos e colocamos o disco disponível para o público”.

ONU
Imagem de encontro do comitê que elaborou a Declaração Universal dos Direitos Humanos adotada em 1948.

Direitos Humanos

Jards Macalé, que acaba de lançar o disco Besta Fera, o primeiro de inéditas em 20 anos, também falou da importância de se cumprir os direitos humanos. Para ele, esses direitos “devem ter validade para sempre”.

A Declaração Universal dos Direitos Humanos foi adotada pela Assembleia Geral da ONU no Palácio de Chaillot, em Paris, três anos após o fim da Segunda Guerra Mundial. Esta terça-feira também marca o Dia Mundial dos Direitos Humanos.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Chefe de direitos humanos da ONU diz que assassinato de líder indígena no Brasil é “trágico e repreensível”

Para Michelle Bachelet, morte de Emrya Wajãpi é “também um sintoma perturbador do crescente problema de invasão de terras indígenas” no país;  alta comissária fez apelo para que governo brasileiro aja “de maneira decisiva para deter a invasão de territórios indígenas”.

Daniela Mercury: a baiana que defende e canta os direitos humanos

Uma das cantoras brasileiras mais aplaudidas da atualidade, Daniela Mercury compartilhou com a ONU News o trabalho que tem desenvolvido na promoção dos direitos humanos no Brasil. A baiana tem usado a sua música, ao longo das últimas três décadas, para aproximar as diferenças e promover o respeito entre todos.