Em muitos países, menos de 5% dos adultos têm oportunidades de aprendizagem
BR

5 dezembro 2019

Novo relatório afirma que é preciso aumentar investimento, reduzir custos de participação e divulgar conhecimento sobre benefícios; pessoas com deficiência, idosos, refugiados, migrantes e outros grupos minoritários são os menos representados.

Em quase um terço dos países, menos de 5% das pessoas com mais de 15 anos têm oportunidade de continuar sua educação, de acordo com o quarto Relatório Global sobre Educação e Aprendizagem de Adultos.

A pesquisa, publicada esta quinta-feira pela Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura, Unesco, analisou a situação em 159 países.

A pesquisa também analisou o nível de qualidade da formação e educação prestada a adultos.
A pesquisa também analisou o nível de qualidade da formação e educação prestada a adultos. Foto: Unesco

Grupos

Pessoas com deficiência, idosos, refugiados e migrantes e outros grupos minoritários são os menos representados nestes programas. O relatório pede “uma grande mudança na abordagem da educação de adultos, apoiada por investimentos que garantam oportunidades de acesso para todos.”

Em nota, a diretora-geral da Unesco, Audrey Azoulay, pede “aos governos e à comunidade internacional que tomem medidas para garantir que ninguém, não importa quem sejam, onde morem ou que desafios enfrentem, seja deixado para trás.”

Investimento

Azoulay disse que “garantindo que os países doadores respeitem suas obrigações de ajuda aos países em desenvolvimento, é possível formar adultos como aprendizes, trabalhadores, pais e cidadãos ativos.”

O relatório destaca a necessidade de aumentar o investimento, reduzir os custos de participação, aumentar o conhecimento sobre os benefícios de uma educação continua e melhorar a pesquisa e análise de dados sobre o tema.

Progresso

Apesar dos números baixos, 57% dos países registraram um aumento na taxa geral de participação entre os anos 2015 e 2018.

Os maiores aumentos aconteceram em países de baixa renda, onde em 2018, o número de adultos com oportunidade de continuar sua formação teve um crescimento de 73%, em comparação com 2015.

A maioria dos aumentos ocorreu na África Subsaariana, seguida pela região árabe, América Latina e Caribe e Ásia e Pacífico. A América do Norte e a Europa Ocidental registraram crescimentos menores, mas partiram de níveis mais altos.

Mulheres

Nos últimos três anos, o número de mulheres com acesso a algum tipo de formação na idade adulta cresceu 59%. Ainda assim, em algumas partes do mundo, meninas e mulheres continuam tendo dificuldades, sobretudo na área da formação profissional.

O relatório afirma que isso deixa esta população “com pouca formação e poucas chances de encontrar emprego e contribuir para a sociedade, o que representa uma perda econômica para seus países.”

Qualidade

A pesquisa também analisou o nível de qualidade da formação e educação prestada a adultos. Cerca de três quartos dos países relataram progresso, com melhorias nos currículos, avaliações, métodos de ensino e condições de emprego dos educadores.

Segundo a Unesco, no entanto, o progresso na área da educação para a cidadania “continuou insignificante”, com apenas 3% dos países indicando alguma melhoria. A agência diz que esta área de formação é “essencial na promoção e proteção da liberdade, igualdade, democracia, direitos humanos, tolerância e solidariedade.”

Nos últimos dez anos, os gastos nesta área não atingiram níveis suficientes, em todas as classes de países. Quase 20% dos países-membros gastam menos de 0,5% dos fundos investidos em educação em formação de adultos. Outros 14% gastam menos de 1%.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud