Argentino, novo chefe da Aiea, priorizará comunicação, inovação e igualdade de gênero
BR

3 dezembro 2019

Rafael Mariano Grossi assume cargo de diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica neste 3 de dezembro; essa é a primeira vez que um latino-americano comanda a agência.

O diplomata argentino Rafael Mariano Grossi assume nesta terça-feira, dia 3 de dezembro, o cargo de diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica, Aiea. Essa é a primeira vez que um latino-americano comanda a agência.

Grossi disse que sua “liderança se concentrará em desafios urgentes, como impedir a disseminação de armas nucleares, promover o desenvolvimento e combater as mudanças climáticas.”

Metas

Para atingir esses objetivos, o diplomata afirmou que a Aiea intensificará esforços e explorará “maneiras novas e criativas de melhorar a gestão, o equilíbrio de gênero, a comunicação e a transparência da agência.”

Uma sessão especial da Conferência Geral da Aiea aprovou na segunda-feira, por aclamação, a nomeação do argentino para um mandato de quatro anos. Ele será o sexto diretor-geral da agência desde que foi fundada em 1957.

Carreira

Diplomata sênior com mais de 35 anos de experiência nas áreas de não proliferação e desarmamento, Grossi foi embaixador da Argentina na Áustria e seu representante na Aiea e em outras organizações internacionais de Viena de 2013 a 2019. Nesta função, presidiu várias conferências importantes no domínio nuclear.

O argentino de 58 anos atuou como diretor-geral adjunto de política e chefe de gabinete na Aiea de 2010 a 2013. De 2007 a 2009, ele ocupou o cargo de diretor-geral de Assuntos Políticos no Serviço de Relações Exteriores da Argentina.

Foi chefe de gabinete da Organização para a Proibição de Armas Químicas, Opaq, em Haia de 2002 a 2007. Anteriormente, ocupou vários cargos no Ministério das Relações Exteriores da Argentina.

Grossi tem doutorado em História e Política Internacional, além de mestrado em relações internacionais e diploma em ciências políticas.

Aiea

Em Sessão Especial da Conferência Geral, o diplomata afirmou que o trabalho da Aiea tem um impacto direto em questões fundamentais de guerra, paz, saúde, energia, alimentos e água.

Ele acrescentou que a agência toca “a vida de milhões de pessoas melhorando o acesso à medicina nuclear e à radioterapia, permitindo que os agricultores cultivem mais alimentos, apoiando o gerenciamento de recursos hídricos escassos, e em inúmeras outras áreas."

Mudança Climática

Ao mencionar a questão da mudança climática, Grossi disse que a energia nuclear não faz parte do problema, mas que pode fazer parte da solução para os países que desejam usá-la.

Dados da agência indicam que a energia nuclear fornece cerca de 10% da eletricidade do mundo e contribui com um terço de toda a eletricidade de baixo carbono.

Grossi sucede Yukiya Amano, do Japão, que foi o quinto diretor-geral da Aiea. Amano foi nomeado pela primeira vez para o cargo em 2009 e morreu em 18 de julho de 2019.

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Aiea: Irã deve cooperar com agência atômica da ONU sobre programa nuclear

Diretor-geral interino, Cornel Feruta, diz que país precisa colaborar para resolver “questões em aberto”; há relatos de uso de partículas de urânio que não tinham sido declaradas; na próxima semana, técnicos da Aiea viajarão a Teerã, capital do Irã, para reuniões sobre o tema.

Agência da ONU faz parceria com hospital infantil para combater câncer

Agência Internacional de Energia Atômica, Aiea, anunciou cooperação com o Hospital de Pesquisa para Crianças St. Jude, dos Estados Unidos; iniciativa atende países em desenvolvimento, onde as crianças têm quatro vezes mais chance de morrer da doença que em nações desenvolvidas.