Guterres condena atentado que matou funcionário da ONU no Afeganistão
BR

25 novembro 2019

Secretário-geral enviou condolências à família da vítima fatal e desejou pronta recuperação aos dois feridos no ataque, em Cabul; ele disse que a organização continua comprometida no apoio ao governo e ao povo afegãos.

As Nações Unidas condenaram um ataque a sua Missão no Afeganistão, Unama, ocorrido no domingo, na capital do país, Cabul.

Um funcionário da organização morreu e dois ficaram feridos no atentado.

Paz e desenvolvimento

Segundo agências de notícias, o veículo das Nações Unidas teria sido atingido por uma granada numa rua frequentemente usada pelos funcionários da Unama.

Em nota, emitida pelo seu porta-voz, o secretário-geral, António Guterres, expressou seus pêsames à família da vítima .

Ele desejou uma pronta recuperação aos feridos e pediu às autoridades afegãs que não poupem esforços para levar os autores do crime à justiça.

Guterres  afirmou que a ONU continuará comprometida com o apoio ao governo do Afeganistão e ao povo em sua luta por paz e desenvolvimento sustentáveis.

Mortos

O Afeganistão tem registrado altos índices de mortos e feridos no conflito.

A Missão da ONU no país informou que de janeiro a setembro, mais de 8 mil civis foram vítimas da violência sendo o mês de julho o mais sangrento.

A Unama afirmou que não divulgará a identidade do trabalhador morto nem a dos que ficaram feridos. Nenhum grupo, até o momento, assumiu a autoria do ataque.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

ONU condena ataque que matou pelo menos 62 em mesquita no Afeganistão

Secretário-geral diz que autores ao atentado devem ser responsabilizados; explosão destruiu telhados dos edifícios em Nangarhar, no leste do país.

Chefe da ONU elogia afegãos que votaram enfrentando preocupações de segurança

Cinco anos depois da última eleição, Afeganistão realizou este sábado votação para escolher próximo presidente; Comissão Nacional Eleitoral estima que apenas 2,2 milhões dos 9 milhões de eleitores registrados foram às urnas.