Agência da ONU lança cartilha em português sobre crianças e meio ambiente
BR

20 novembro 2019

Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente diz que crianças são grupo mais vulnerável aos problemas ambientais; segundo OMS, 25% dos 5,9 milhões de mortes de menores de cinco anos de idade, em 2015, poderia ter sido evitada por meio da redução de riscos ambientais.

Para marcar os 30 anos da Convenção sobre os Direitos da Criança, celebrado nesta quarta-feira 20, o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, Pnuma, lança uma cartilha que explica às crianças e aos jovens, de maneira didática, as principais mensagens do relatório sobre os direitos da criança e o meio ambiente.

Seca em Angola deixou famílias desesperadas e crianças sem tempo para educação. Foto: Unicef Angola/2019/Carlos César

A representante da agência no Brasil, Denise Hamú, explicou que “os danos ao meio ambiente interferem no direito das crianças à saúde física e mental, educação, alimentação e moradia adequadas, água potável e saneamento.”

Compromisso

Para ela, neste 30º aniversário da Convenção, é importante “lembrar o compromisso assumido pelos países com a Agenda 2030 e com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável de não deixar ninguém para trás, e isto inclui garantir às crianças” o futuro que elas merecem, com um meio ambiente seguro, saudável e sustentável.

Atualmente, os menores representam 30% da população mundial e compõem o grupo mais vulnerável aos danos ambientais. Segundo a Organização Mundial da Saúde, 25% dos 5,9 milhões de mortes de crianças com menos de cinco anos de idade, em 2015, poderia ter sido evitada por meio da redução de riscos ambientais.

A exposição infantil a poluentes e outras substâncias tóxicas também contribui para deficiências, doenças e mortalidade prematura na idade adulta. As crianças, por exemplo, são mais suscetíveis à poluição do ar do que os adultos e, como seus sistemas imunológicos ainda estão em formação, correm maior risco de infecções respiratórias e têm menos capacidade de combatê-las.

Poluição

A poluição da água contribui para doenças que causam, anualmente, mais de 350 mil mortes de crianças abaixo de cinco anos, e outras 80 mil mortes de menores entre cinco e 14 anos. As mudanças do clima também contribuem para a ocorrência de eventos climáticos extremos, desastres, escassez de água, insegurança alimentar, poluição do ar e intensificação de doenças infecciosas transmitidas por vetores.

O relator especial da ONU para Direitos Humanos e Meio Ambiente, John Knox, alerta que “a longo prazo, é provável que o aumento da temperatura e a mudança dos padrões de precipitação exacerbem a disseminação de doenças transmitidas por vetores, como malária, dengue e cólera, e contribuam para a escassez de alimentos e a subnutrição”, o que afeta principalmente as crianças.

Cartilha

A cartilha é uma versão adaptada para crianças do relatório compilado pelo especialista em direitos da criança e o meio Ambiente (A/HRC/37/58). O material foi desenvolvido pelo Pnuma em parceria com a Queen’s University Belfast, Terre des Hommes e o órgão de Procedimentos Especiais da ONU para Direitos Humanos.

O projeto também contou com a colaboração de alunos e alunas da Rathmore Grammas Schoool, de Belfast, Irlanda do Norte.

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Convenção Sobre os Direitos da Criança faz 30 anos

Documento é o tratado de direitos humanos mais ratificado da história; secretário-geral pediu que promessas feitas há três décadas sejam cumpridas; Dia Mundial da Criança também é celebrado a 20 de novembro.  

Situação de crianças mais pobres do mundo teve pouco progresso nos últimos 30 anos

Relatório aponta avanços históricos em áreas como mortalidade infantil e educação; ao mesmo tempo agência da ONU quer ação urgente e compromisso com direitos da criança para lidar com ameaças antigas e emergentes.