Mais da metade da população global não tem acesso a saneamento seguro
BR

19 novembro 2019

Esta terça-feira marca o Dia Mundial do Toalete; cerca de 673 milhões de pessoas ainda praticam defecação a céu aberto; Objetivo de Desenvolvimento Sustentável número 6 prevê resolver o problema até 2030.

Mais da metade da população global ainda vive sem saneamento seguro. No total, são  4,2 bilhões de pessoas que estão nessa situação, de acordo com as Nações Unidas.

Esta terça-feira, 19 de novembro, marca o Dia Mundial do Toalete. Este ano, a ONU escolheu o tema “Não deixar ninguém para trás”.

Trabalhador constroi latrina no Cambodja, by ONU

Importância

A organização diz que o saneamento é um direito humano e lembra o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável, ODS, número 6 que promete saneamento para todos até 2030.

As Nações Unidas afirmam que banheiros, ou casas de banho, “salvam vidas porque dejetos humanos espalham doenças fatais.” O objetivo deste dia mundial é inspirar as pessoas para “enfrentar a crise global de saneamento.”

A organização sublinha que com saneamento seguro, uma família não partilha uma toalete com outras, os excrementos são separados do contato humano e, por fim, são descartados ou tratados com segurança.

Essa meta pode ser alcançada com instalações sanitárias ligadas a sistemas de esgoto canalizados, fossas sépticas, latrinas com ventilação ou banheiros que permitem a compostagem.

Problema

Cerca de 673 milhões de pessoas ainda praticam defecação a céu aberto, destaca a organização.

Em entrevista à ONU News, a diretora executiva do Conselho Colaborativo para o Abastecimento de Água e Saneamento, Sue Coates, disse que esta prática “é uma afronta à dignidade, à saúde e ao bem-estar de todos, sobretudo as meninas e mulheres.”

A especialista afirmou que é difícil combater esta realidade por várias razões. Por um lado, “é uma norma cultural de muitas sociedades praticada há séculos”. Por outro “exige um investimento continuo na construção, manutenção e uso de latrinas, bem como outros serviços básicos.”

Saúde pública

A falta de saneamento causa cerca de 432 mil mortes por diarreia todos os anos. A ONU estima que 297 mil crianças com menos de cinco anos morram todos os anos de diarreia devido à falta de água potável, saneamento e higiene das mãos.

Crianças com menos de cinco anos que vivem em países onde existem conflitos prolongados têm, em média, quase 20 vezes maior possibilidade de morrer com doenças relacionadas com este problema do que devido à violência.

A perda de produtividade causada por doenças relacionadas à água e ao saneamento custa até 5% do Produto Interno Bruto, PIB, de muitos países. A ONU também pergunta “como alguém pode sair da pobreza sem saneamento?”

WaterAid/CS Sharada Prasad
Trabalhadores em Bangalore, na Índia, esvaziam uma latrina

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Trabalhadores sanitários enfrentam perigo e miséria

Relatório aponta riscos nos direitos, saúde e dignidade desta força de trabalho; falta de saneamento causa até 432 mil mortes por ano devido a doenças diarreicas; riscos incluem transmissão de doenças como cólera, disenteria, febre tifoide, hepatite A e poliomielite.