ONU precisa de US$ 1,35 bilhão para apoiar venezuelanos
BR

13 novembro 2019

Valor global inclui US$ 88 milhões para migrantes e refugiados da Venezuela que vivem no Brasil; doações internacionais também devem beneficiar comunidades brasileiras que são diretamente impactadas pela crise.

Agências das Nações Unidas precisam de US$ 1,35 bilhão para oferecer apoio humanitário a venezuelanos e comunidades de acolhida no próximo ano.

De acordo com o  Plano Regional de Resposta a Refugiados e Migrantes 2020,  a meta é fazer chegar ajuda a 4 milhões de cidadãos da Venezuela e suas comunidades anfitriãs em 17 países da América Latina e do Caribe.

Equipe do Acnur presta assistência aos refugiados e migrantes venezuelanos que cruzam da Colômbia para o Equador, antes da implementação de novas leis de vistos. Foto: © Acnur/Jaime Giménez Sánchez

Retorno

Cerca de 4,6 milhões de venezuelanos vivem em todo o mundo, segundo a Agência da ONU para Refugiados, Acnur, e Organização Internacional para Migrações, OIM.  Deste número, 80% estão em nações latino-americanas sem previsão de retorno a curto ou médio prazo.

De acordo com as agências, se as tendências atuais se mantiverem, esse total pode chegar a 6,5 milhões de pessoas até o final do próximo ano.

Cerca de 137 agências deverão realizar atividades previstas no plano em áreas como saúde, educação, alimentação, água, transporte entre outras. Além de responder a emergências, a comunidade humanitária quer facilitar a integração social e econômica dos refugiados e migrantes da Venezuela.

Crise

Para o representante especial do Acnur e OIM para refugiados e migrantes venezuelanos, Eduardo Stein, “somente uma atuação coordenada e harmonizada poderá atender às necessidades de larga escala de forma eficaz”. Mas lembrou que a situação continua aumentando e evoluindo com a piora da crise.

Para Stein, o novo apelo para 2020 “é um dos principais instrumentos para mobilizar recursos para ações coletivas e coordenadas.”

O enviado lembrou que existem esforços e iniciativas em prol de venezuelanos, mas alertou que a “dimensão do problema é maior do que a resposta”. Stein quer mais apoio de governos, “com foco nas preocupações de desenvolvimento, além das necessidades humanitárias imediatas”.

Acnur/Jaime Giménez Sánchez de la Blanca
Migrantes venezuelanos na ponte Rumichaca, que liga Equador e Colômbia

Emergência

O representante do Acnur no Brasil, José Egas destacou que o país implementa a Operação Acolhida apoiando cidadãos venezuelanos. O novo plano de doações inclui US$ 88 milhões que no Brasil, “serão gerenciados e utilizados por 40 organizações em mais de 500 atividades de resposta à emergência humanitária”.

De acordo com o chefe da OIM no Brasil, Stéphane Rostiaux, o auxílio deverá beneficiar mais de 216 mil venezuelanos no Brasil e comunidades brasileiras que são diretamente impactadas pela situação.

 

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Chefe humanitário diz que “todos precisam fazer mais” para apoiar Venezuela

Mark Lowcock, que visitou o país por três dias, disse que sofrimento humano não pode ser usado politicamente; ele descreveu riscos como exploração sexual, tráfico e abusos enfrentados, diariamente, por quem tenta fugir da crise.

Acnur: Venezuela tem segunda maior crise de refugiados do mundo após Síria

Situação no país obrigou 4,5 milhões de pessoas a fugirem de suas casas; em comunicado conjunto, organizadores dizem que até o próximo ano, número poderá chegar a 6,5 milhões de venezuelanos; evento recebeu promessas de € 120 milhões em ajuda humanitária.