ONU quer ação urgente contra aumento da fome e obesidade na América Latina e no Caribe
BR

12 novembro 2019

Novo relatório destaca que Brasil melhorou regulamentação sobre publicidade de alimentos; região teve aumento de 11% de pessoas que passam fome desde 2014; obesidade entre adultos cresceu de 6% para 25% em 43 anos.

A porcentagem de pessoas com obesidade triplicou desde 1975 na América Latina e Caribe. O Panorama de Segurança Alimentar e Nutricional 2019, publicado esta terça-feira, destaca que um em cada quatro adultos vive com essa condição.

O estudo da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO, revela que em toda a região a fome aumentou 11% nos últimos quatro anos. Atualmente o problema afeta 42,5 milhões de pessoas.

As agências também destacam que é importante melhorar a rotulagem de alimentos e mudar a composição de certos produtos para melhorar seu valor nutricional. Foto: FAO/Alessandra Benedetti

Hábitos

A FAO, a Organização Mundial da Saúde, OMS, o Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, e o Programa Mundial de Alimentos, PMA, querem que os países da região tomem medidas urgentes para combater estes problemas.

Segundo o documento, é preciso promover hábitos alimentares mais saudáveis usando impostos e outros incentivos, sistemas de proteção social, programas de alimentação escolar e regulamentação da publicidade e marketing.

As agências também destacam que é importante melhorar a rotulagem de alimentos e mudar a composição de certos produtos para melhorar seu valor nutricional.

Regiões

Segundo o relatório, o aumento mais significativo da obesidade adulta aconteceu no Caribe, onde o valor quadruplicou. O crescimento foi 6% em 1975 para 25% em 2018. Em termos absolutos, a região passou de 760 mil adultos obesos para os atuais 6,6 milhões.

Em nota, o representante regional da FAO, Julio Berdegué, disse que “o aumento explosivo da obesidade não só tem enormes custos econômicos, mas também ameaça a vida de centenas de milhares de pessoas.”

Segundo o relatório, todos os anos morrem 600 mil pessoas na América Latina e no Caribe devido a doenças relacionadas com suas dietas, como diabetes, hipertensão e doenças cardiovasculares.

Em relação às crianças e adolescentes, as taxas de obesidade triplicaram entre 1990 e 2016.

A diretora da Organização Pan-Americana da Saúde, Opas, Carissa F. Etienne, disse que é preciso "agir agora para reverter essa tendência e impedir que as crianças sofram as consequências."

ONU/Logan Abassi
Mulher prepara bolos de barro, discos de barro, manteiga e sal que se tornaram um símbolo da pobreza extrema e fome no Haiti.

Desnutrição

A região possui taxas de desnutrição mais baixas do que a média global. Cerca de 6,5% dos habitantes estão desnutridos, menos do que a média mundial de 10,8%.

Apesar desse valor, a pesquisa alerta para um aumento preocupante da falta de alimentos. Em 2018, cerca de 42,5 milhões de pessoas passavam fome na região, mais 4,5 milhões do que em 2014, o que representa um aumento de 11%.

O relatório analisa detalhadamente como mudou o ambiente alimentar da região, explicando os fatores que influenciam a maneira como as pessoas compram, preparam e consomem alimentos.

As vendas de alimentos ultra processados ​​foram as que mais cresceram, aumentando a exposição da população a quantidades excessivas de açúcar, sódio e gordura. Entre 2000 e 2013, o consumo destes produtos ​​cresceu mais de 25%. O consumo de fast food aumentou quase 40%.

Resposta

A expansão das redes de supermercados é outra grande mudança, tornando produtos ultra processados ​mais ​disponíveis e a preços mais baixos. Segundo a pesquisa, as pessoas pobres foram as mais afetadas, porque muitas vezes é mais fácil e barato comer alimentos não saudáveis.

A região já reagiu ao aumento da desnutrição com uma série de políticas públicas. Países como Chile, Equador, Peru e Uruguai implementaram leis de rotulagem de alimentos, permitindo que os consumidores tomem melhores decisões.

Já Brasil, Chile, Costa Rica, Equador, México, Peru, Panamá e Uruguai melhoraram a regulamentação sobre publicidade de alimentos. Pelo menos 13 países adotaram medidas fiscais e sociais que favorecem uma alimentação saudável.

Obesidade

O diretor regional do PMA, Miguel Barreto, disse que “expandindo os programas de proteção social, melhor se enfrentará o fardo duplo que fome e obesidade representam para comunidades e famílias.”

Segundo o relatório, programas de proteção social já cobrem mais de 200 milhões de pessoas na América Latina e no Caribe, incluindo 85 milhões de crianças em idade escolar que recebem café da manhã, lanches ou almoço.

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Brasileira participa de evento com Michael Kors sobre segurança alimentar

Blogueira de moda, Camila Coelho, integra campanha do estilista, em parceria com a ONU, para levar alimentos a crianças em todo o mundo; iniciativa já distribuiu quase 19 milhões de refeições em sete anos; ganhadora do Oscar, Lupita Nyong’o, é o rosto da campanha este ano.

Unicef alerta que 1 em cada 3 crianças com menos de 5 anos está desnutrida ou acima do peso

Informação faz parte de novo relatório do Fundo das Nações Unidas para a Infância; dentre os lusófonos, Timor-Leste tem a taxa mais alta de desnutrição crônica; no Brasil, cerca de 6% das crianças com menos de quatro anos são obesas.