Chefe de assistência humanitária das Nações Unidas chega à Venezuela
BR

4 novembro 2019

Mark Lowcock quer reforçar colaboração com organizações parceiras; visita de três dias deve analisar apoio da comunidade internacional no terreno; número de venezuelanos que fogem da crise pode chegar a 6,5 milhões já no próximo ano. 

O subsecretário-geral das Nações Unidas para os Assuntos Humanitários, Mark Lowcock, chega esta segunda-feira à Venezuela para avaliar a situação no país.

O objetivo é reforçar a colaboração entre vários parceiros humanitários. A Venezuela enfrenta uma crise política desde 2015.

Subsecretário-geral para os Assuntos Humanitários, Mark Lowcock, no Conselho de Segurança. Foto ONU/Eskinder Debebe

Agências

Lowcock, que também coordena a assistência de emergência da ONU, deve se reunir com representantes do governo venezuelano, da Assembleia Nacional, de organizações não-governamentais e diplomatas.

Ele vai analisar a resposta que está sendo implementada no terreno com o apoio da organização, além de se encontrar com alguns venezuelanos afetados pela crise.

De acordo com Nações Unidas, mais de 4,5 milhões de pessoas já deixaram as suas casas para escapar da situação. A crise político-econômica gerou a segunda maior leva de refugiados do mundo, atrás apenas da Síria. Em 2020, esse número pode atingir 6,5 milhões.

Em 2018, a organização começou a expandir a assistência humanitária para dar resposta às demandas mais urgentes apoiando as autoridades nacionais e das ONGs.

O valor necessário para o Plano de Resposta Humanitária para a Venezuela é cerca de US$ 223 milhões. Até agora, 23% desse total foi arrecadado para oferecer ajuda e proteção essencial a 2,6 milhões venezuelanos e reforçar a resiliência das comunidades.

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Acnur: Venezuela tem segunda maior crise de refugiados do mundo após Síria

Situação no país obrigou 4,5 milhões de pessoas a fugirem de suas casas; em comunicado conjunto, organizadores dizem que até o próximo ano, número poderá chegar a 6,5 milhões de venezuelanos; evento recebeu promessas de € 120 milhões em ajuda humanitária.