Brasileiros treinam militares congoleses em operações de selva na África
BR

1 novembro 2019

Soldados de paz e forças de segurança da República Democrática do Congo participam do treinamento; informação foi dada à ONU News, pelo comandante das forças de paz da ONU no país, general Elias Rodrigues Martins Filho.

Um treinamento em técnicas de operações na selva no coração da África.

Este é o curso que militares brasileiros estão dando para forças da República Democrática do Congo, no centro-oeste africano, na região dos Grandes Lagos.

O curso está em seu quarto mês. E é ministrado por 13 especialistas brasileiros, que atuam no país. Ali, as forças da ONU são comandadas pelo general Elias Rodrigues Martins Filho.

Mandato

Nesta entrevista à ONU News, o comandante explicou como a experiência brasileira ajuda na hora de neutralizar os grupos armados congoleses.

“O ambiente operacional do Congo é um ambiente bastante peculiar, é um ambiente de selva, e que requer cuidados especiais no planejamento e no desdobramento das operações militares em seu território. Então isso significa que nós precisávamos de algumas expertises para serem disseminadas entre as tropas que têm a responsabilidade e o mandato de neutralizar grupos armados naquela área.”

O general lembrou que a maior parte do território congolês está calmo, mas os 25% restantes enfrentam grupos armados que querem desestabilizar a região.

ONU/Sylvain Liechti
Boinas-azuis da Missão de Paz das Nações Unidas na República Democrática do Congo, Monusco.

Desempenho

“Nós trouxemos 13 especialistas que estão lá desde junho deste ano treinando as tropas da Brigada de Intervenção, mas também, treinando as tropas das forças armadas da República Democrática do Congo. Isso está acontecendo, neste momento, e o nosso objetivo é capacitá-los a um melhor desempenho para que possam preservar as suas vidas e cumprir as suas missões com a maior efetividade possível.”

O general Elias contou que ainda não foi definido o momento de saída para as forças de paz da RD Congo. A presença internacional está há 20 anos no território congolês.

Os militares brasileiros também facilitam a adaptação no meio da selva à Brigada de Intervenção. O treinamento enfatiza táticas e técnicas operacionais para a força especial que integra militares do Malauí, da Tanzânia e da África do Sul.

O general Elias explicou como está a situação no terreno.

Esperança

“O país tem 75% de seu território estabilizado. Os problemas estão concentrados na parte leste do país em basicamente cinco províncias, Ituri, Kivu do Norte, Kivu do Sul, Tanganyka e um pouco ainda nos Kasai. São essas as cinco regiões onde ainda temos configurada alguma tensão em termos de grupos armados. O país, então, está estabilizado em larga porção de seu território.”

As tropas de paz apoiaram o ambiente das eleições que culminaram com o início do mandato do presidente Félix Tshisekedi em janeiro de 2019. Para o general, esse processo eleitoral marcou “a primeira transição democrática de poder” na RD Congo. Elias Rodrigues Martins Filho destaca que o pleito mostrou que a população está cansada “das lutas e das guerras”.

Epidemia

Na RD Congo, uma parte dos 15 mil boinas-azuis também apoia ações de combate ao vírus do ebola, no país que vive a segunda maior epidemia da história que também foi considerada uma emergência internacional.

O general brasileiro contou que ainda não ocorreram casos da doença entre as tropas internacionais, que protegem as populações e os trabalhadores que tentam controlar a epidemia em território congolês.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Nações Unidas atuam para abrigar 5 mil congoleses que deixam o norte de Angola

Grupo de refugiados deixa voluntariamente o norte do país de língua portuguesa, onde esteve alojado após violência de grupos armados em Kassai; apoio inclui fundos, comida e outras condições para integração em zonas de origem na RD Congo.

General brasileiro quer maior participação das mulheres nas forças de paz

O general do Exército Gerson Menandro Garcia de Freitas termina neste mês de agosto o seu mandato como conselheiro militar da Missão do Brasil junto à ONU, dois anos após assumir o cargo., Em entrevista para  ONU News, o oficial destaca momentos da ação em prol da melhora das operações de manutenção da paz, da maior representação de mulheres nos boinas-azuis e exemplos femininos de projeção do Brasil nesse campo.