Relatório mostra resultados na prevenção da poluição plástica
BR

25 outubro 2019

Empresas tomaram medidas para eliminar embalagens plásticas e aumentar uso de plástico reciclado até 2025; Portugal e prefeitura de São Paulo estão entre signatários do Compromisso Global da Nova Economia de Plásticos.

O novo relatório da Fundação Ellen MacArthur, compilado com a ONU Meio Ambiente, Pnuma, aponta os avanços nos esforços globais para combater a poluição por plásticos.

A divulgação do estudo coincide com o primeiro aniversário do lançamento do Compromisso Global da Nova Economia de Plásticos, que estabelece uma visão de economia circular para o material.

Estudo visa apresentar com transparência trabalho que quase 200 empresas e governos estão fazendo para mudar sua produção e uso de plástico. , by ONU Meio Ambiente/Cyril Villemain

Comprometimento

A iniciativa, que entrou em ação em outubro de 2018, tem agora mais de 400 organizações comprometidas com a eliminação de embalagens plásticas consideradas problemáticas e desnecessárias. Os envolvidos também investem em inovações para que todas as embalagens plásticas sejam 100% reutilizáveis, recicláveis ​​ou compostáveis, e que não se tornem resíduos ou poluição.

Segundo o relatório, os esforços globais para prevenir a poluição por plásticos tiveram “um progresso promissor”. O estudo, visa apresentar com transparência o trabalho que quase 200 empresas e governos estão fazendo para mudar sua produção e uso de plástico.

Exemplos

Como exemplos de ações e progresso corporativo o estudo cita o anúncio pela companhia Unilever de que reduzirá em 50% o uso de plástico virgem em embalagens. A Mars Incorporated disse que fará reduções de 25% até 2025 e a PepsiCo pretende reduzir o uso de plástico virgem em seus negócios de bebidas em 20% até 2025.

O relatório indica que alguns dos itens e materiais plásticos problemáticos identificados com mais frequência estão sendo eliminados em escala. Cerca de 70% dos signatários relevantes estão eliminando canudos descartáveis e sacolas plásticas.  

Além das proibições, os signatários, incluindo governos como o de Ruanda, do Reino Unido e do Chile, e cidades de São Paulo e Austin, para citar alguns, estão adotando um conjunto diversificado de medidas políticas. Entre essas estão compras públicas e esquemas de responsabilidade estendida aos produtores e campanhas de conscientização pública, medidas fiscais e incentivos à pesquisa e  ao desenvolvimento.

Entre os lusófonos, o Ministério do Meio Ambiente e Transição de Energia de Portugal assinou o Compromisso Global em outubro de 2018 e a prefeitura de São Paulo em março deste ano.

Longo Caminho

O líder da Nova Economia de Plásticos da Fundação Ellen MacArthur, Sander Defruyt, destacou que “em todo o mundo, as pessoas estão pedindo que empresas e governos tomem medidas para parar a poluição por plásticos.” Ele disse que a assinatura do Compromisso Global pelas principais empresas e governos é um grande passo nesse sentido.

Ao mesmo tempo, Defruyt alertou que ainda “há um longo caminho a percorrer e é crucial que esses esforços sejam acelerados e ampliados, e mais empresas e governos tomem medidas para eliminar a poluição de plástico na fonte".

Para o diretor-executivo do Pnuma, Inger Andersen, “enfrentar a poluição plástica exige uma mudança fundamental do sistema, de uma economia linear para uma circular para o plástico, a qual está no centro do Compromisso Global da Nova Economia do Plástico.” Ele acrescentou que “os benefícios representam uma enorme oportunidade, e a abordagem combinada não deixa desculpas para não agir.”

Análise

A análise realizada para o relatório mostra que atualmente, em média, 55% das embalagens plásticas dos signatários são reutilizáveis, recicláveis ​​ou compostáveis. Através do Compromisso Global, eles se comprometeram em alcançar 100% até 2025.

A demanda total dos signatários por conteúdo reciclado em embalagens será de mais de 5 milhões de toneladas por ano até 2025.

O Pnuma destaca que enquanto investimentos significativos estão sendo feitos para alcançar essas metas, é necessário desenvolver mais programas importantes de investimento, inovação e transformação. A agência convida mais empresas e governos a aderir ao Compromisso Global para garantir que o impacto possa ser feito em escala.

Enquanto mais de 40 empresas signatárias estão trabalhando com projetos pilotos de reutilização, atualmente menos de 2% das embalagens plásticas do grupo signatário são reutilizáveis, indicando uma oportunidade significativa, porém pouco explorada. Uma análise da Fundação Ellen MacArthur mostrou que a substituição de apenas 20% das embalagens plásticas de uso único por alternativas reutilizáveis ​​oferece uma oportunidade no valor de pelo menos US$10 bilhões.

ONU

Desde o dia 01 de junho deste ano, as Nações Unidas eliminaram o plástico de uso único da sede da organização em Nova Iorque com base em uma iniciativa promovida pela ex-presidente da Assembleia Geral, María Fernanda Espinosa.

Segundo dados do Pnuma, 80% da poluição dos oceanos saem da superfície terrestre. Todos os anos, são 8 milhões de toneladas de plástico. Se nada for feito, até 2050 os oceanos terão mais plástico do que peixes.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud