ONU elogia criação de postos militares para monitorar cessar-fogo em Hodeida
BR

23 outubro 2019

Chefe de observadores internacionais pede apoio total para impulsionar acordo e reduzir tensões na cidade portuária do Iêmen; medida faz parte do apoio dado pelas Nações Unidas para assegurar fim do conflito na área.

O chefe da Missão da ONU de Apoio ao Acordo de Hodeida, Abhijit Guha, elogiou a criação de quatro postos militares de observação para “facilitar o desarmamento direto entre partes” do conflito no maior porto do Iêmen.

Guha apelou a todos que apoiem o cessar-fogo e diminuam tensões para salvar vidas.

Ajuda Humanitária

O chefe dos observadores internacionais pediu a todos que meçam suas palavras para evitar divisões e apoiem a iniciativa. Hodeida, além de ser o maior porto de entrada para ajuda humanitária, é também a quarta maior cidade do Iêmen.

PMA distribui alimentos no bairro de Bajil, em Hodeida. Foto: PMA/Annabel Symington

A criação de postos de observação conjunta, na linha de frente da cidade portuária do Mar Vermelho, foi anunciada após a ONU ajudar a produzir o cessar-fogo, assinado em dezembro em Estocolmo, na Suécia.

O entendimento entre as partes envolvidas para interromper o conflito e reposicionar tropas na área pretende “construir confiança para abrir o caminho para negociações mais amplas” para o fim da guerra que entrou para o quinto ano.

Aliança

O cessar-fogo foi firmado entre as forças houthis e uma aliança liderada pela Arábia Saudita, que apoia o governo iemenita, reconhecido pela comunidade internacional. Os confrontos começaram em 2014.

Hodeida é o principal porto do Iêmen e dele depende a entrada de auxílio para milhões de pessoas, em situação de insegurança alimentar, no país árabe.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Enviado da ONU destaca “sinais de esperança” para o Iêmen

Conselho de Segurança debateu situação no país; Martin Griffiths destacou redução dos combates e libertação de prisioneiros; chefe humanitário disse que setembro foi o mês mais letal para civis, mas situação melhorou em outubro.

Unicef: 2 milhões de crianças estão fora da escola no Iêmen

Segundo Fundo das Nações Unidas para a Infância, outras 3,7 milhões correm risco de serem forçadas a sair da escola por falta de salário dos professores; em Nova Iorque, evento marcou os 30 anos da adoção da Convenção sobre os Direitos da Criança.