Angola junta-se a outros nove países africanos em reforço de ação contra ebola

22 outubro 2019

Ministros da Saúde de 10 países africanos querem aumentar preparação e resposta à doença após surto na República Democrática do Congo; desde agosto de 2018, a infecção matou mais de 2,1 mil pessoas.

Uma reunião regional criou a Força de Intervenção Africana de Coordenação do Ebola. A sede será em Addis Abeba, na Etiópia.

Angola, Burundi, República Centro-Africana, República do Congo, República Democrática do Congo, Ruanda, Sudão do Sul, Uganda, Tanzânia e Zâmbia integram o grupo.

Reunião

No encontro realizado em Goma, RD Congo, os titulares do setor da Saúde do continente africano decidiram que o novo organismo deverá atuar junto ao Secretariado da União Africana.

As atividades da força de intervenção para combater surtos serão apoiadas pelo Centro para Controle e Prevenção de Doenças, Cdc, pela Organização Mundial da Saúde, OMS, e outros parceiros.

A nova instituição fará a supervisão política usando a capacidade técnica da agência da ONU para atuar em surtos. Os ministros da Saúde também devem cooperar para lidar com casos de ebola nas fronteira, fazer a vigilância nos laboratórios, o rastreamento e o monitoramento de pessoas que tiveram contato com pacientes.

A diretora regional da OMS para a África, Matshidiso Moeti, disse que as doenças não respeitam as fronteiras e que “o atual surto na República Democrática do Congo revelou a importância da colaboração”.

Regulamento

A expectativa é que essa cooperação melhore a troca de informações sobre surtos e emergências devido a doenças, como prevê o Regulamento Sanitário Internacional de 2005.

Os dados mais recentes sobre o ebola no território congolês apontam para a confirmação de 3.114 casos e 2.123 mortos pela doença, desde agosto do ano passado.

Moeti destacou que “ultimamente, o ebola tem sido o centro das atenções”, mas chamou a atenção para outras doenças também representam uma ameaça significativa na região.

Colaboração

Para ela, estas infecções revelam como é importante uma colaboração nas fronteiras para melhorar a troca e o intercâmbio de dados para conter rapidamente surtos. Outros objetivos são coordenar recursos e evitar que doenças atravessem fronteiras.

A representante advertiu sobre o risco de transmissão de agentes causadores do ébola, da cólera, do sarampo e da febre-amarela com o movimento de pessoas, bens e serviços pelos limites entre países.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud