Migrantes irregulares da África desafiam riscos para chegar à Europa, diz Pnud
BR

21 outubro 2019

Relatório do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, divulgado nesta segunda-feira, revela fortes vínculos entre migração e desenvolvimento; estudo entrevistou 1.970 migrantes de 39 países africanos em 13 países europeus.

 

Os migrantes irregulares que fizeram a árdua jornada da África para a Europa o fariam novamente, apesar de saberem dos perigos da viagem.

Esta é a conclusão de um relatório do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, Pnud, divulgado nesta segunda-feira.

Cerca de 93% dos quase 2 mil migrantes irregulares, que participaram do estudo, confirmaram que enfrentaram perigos nos trajetos. Foto: Frontex/Francesco Malavolta

Relatório

Cerca de 93% dos quase 2 mil migrantes irregulares, que participaram do estudo, confirmaram que ​​enfrentaram perigos nos trajetos, mas apenas 2% disseram que uma maior conscientização dos riscos os levaria a ficar em casa.

Esta e outras informações constam do novo relatório “Escalando Cercas: Vozes de Migrantes Africanos Irregulares para a Europa”. O documento visa coletar evidências e mostrar uma imagem mais clara do motivo pelo qual os migrantes irregulares se mudam da África para a Europa.

O relatório ouviu 1.970 migrantes de 39 países africanos em 13 nações europeias. Todos declararam ter chegado à Europa por meios irregulares e não pela via do asilo ou da proteção.

Resultados

Segundo a agência da ONU, esse resultado desafia suposições comuns sobre a migração irregular da África para a Europa. O estudo conclui que conseguir um emprego não era a única motivação para se mudar, que nem todos os migrantes irregulares eram 'pobres' na África, e nem tinham níveis mais baixos de educação.

A pesquisa aponta que 58% dos entrevistados estavam empregados ou na escola no momento da partida. A maioria dos que trabalhavam ganhavam salários competitivos.

Ainda assim, cerca de 50% dos trabalhadores entrevistados disseram que não estavam ganhando o suficiente. Para dois terços dos que participaram da pesquisa, a renda ou a perspectiva de renda em seus países de origem não os impediram de viajar.

África

O chefe do Pnud, Achim Steiner, explicou que o relatório destaca que a migração é um reflexo do progresso do desenvolvimento em toda a África, embora este seja um progresso desigual e que não seja rápido o suficiente para atender às aspirações das pessoas.” 

Ele adicionou que “barreiras à oportunidade, ou "falta de escolha", emergem no estudo como fatores críticos que influenciam no cálculo feito por esses jovens."

Alguns Dados:

  • 49% dos entrevistados tinham alguma forma de renda e 9% estavam estudando no momento da partida;
  • Para 66% dos entrevistados que tinham alguma forma de renda, ou a perspectiva de receber, não foi um fator que restringiu a decisão de migrar;
  • 62% dos entrevistados acham que foram tratados injustamente por seus governos, com muitos indicando etnias e pontos de vista políticos como razões para a percepção de tratamento injusto;
  • 77% consideraram que sua voz não era ouvida ou que o sistema político de seu país não dava oportunidade para exercer influência sobre o governo; - 41% dos entrevistados disseram que "nada" teria mudado sua decisão de migrar para a Europa;
  • Os ganhos médios na Europa superam em muito os ganhos médios na África, mesmo em termos reais.

Steiner acredita que “ao esclarecer por que as pessoas se movem por canais irregulares e o que experimentam quando fazem, o estudo contribui para um debate crítico sobre o papel da mobilidade humana na promoção do progresso em direção aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e as melhores abordagens” para lidar com ela.

Fatores

O relatório conclui que, para muitos dos que se deslocam por canais irregulares da África para a Europa, a viagem tem um tempo determinado. Os resultados mostram que entre aqueles que têm direito legal ao trabalho, a maior parte não queria ficar na Europa, em comparação com aqueles que querem ficar. Essa diferença é de 18%. 

A aparente vergonha de não cumprir a "missão" de enviar dinheiro de volta às famílias e comunidades aparece como um fator importante que impediu os entrevistados de retornarem para suas casas.  Entre os participantes, 53% receberam pelo menos algum tipo de apoio financeiro de suas famílias e amigos para pagar pela viagem de migração.

Uma vez na Europa, dos que conseguiram obter alguma forma de renda, 78% enviavam dinheiro de volta para suas casas. Em média, entre os entrevistados, estes valores representavam um terço de sua renda mensal. Em seus países de origem, isso corresponderia a 85% do total da renda mensal.

Mulheres

O relatório também constatou que a experiência de estar na Europa não é a mesma entre homens e mulheres.  A diferença salarial entre gêneros na África inverte na Europa, com as mulheres ganhando 11% a mais, em contraste com os 26% a menos que recebem na África.

Uma proporção maior de mulheres também disse que envia dinheiro de volta para casa, mesmo entre as que não estavam ganhando.

As diferenças de gênero também foram aparentes nas experiências de criminalidade. Uma proporção um pouco maior de mulheres disse ter sido vítima de um crime nos seis meses anteriores à entrevista do que os homens. Relatos de ataques sexuais foram significativamente maiores.

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Mais de mil migrantes já morreram atravessando o Mediterrâneo em 2019

Em seis anos, pelo menos 15 mil pessoas perderam a vida tentando travessia; Agência da ONU para Refugiados alertou para situação perigosa nas ilhas gregas; mais de 100 mil migrantes permanecem vulneráveis na Líbia.

Portugal exalta “dupla face” da migração e diz que manterá portas abertas

Ministro dos Negócios Estrangeiros do país fala de contribuição de estrangeiros para demografia, economia e segurança social; base de novo plano nacional é o Pacto Global para a Migração, adotado e promovido pelas Nações Unidas.