ONU condena ataque que matou pelo menos 62 em mesquita no Afeganistão BR

Guterres explicou que Chamado à Ação defende  ainda a aplicação dos direitos humanos on-line e a proteção de dados.
ONU/Jean-Marc Ferré
Guterres explicou que Chamado à Ação defende ainda a aplicação dos direitos humanos on-line e a proteção de dados.

ONU condena ataque que matou pelo menos 62 em mesquita no Afeganistão

Paz e segurança

Secretário-geral diz que autores ao atentado devem ser responsabilizados; explosão destruiu telhados dos edifícios em Nangarhar, no leste do país.

As Nações Unidas condenaram com veemência o ataque a bomba dentro de uma mesquita durante as rezas desta sexta-feira na província de Nangarhar, no leste do Afeganistão.

Agências de notícias informaram que nenhum grupo reivindicou a autoria do atentado, que matou pelo menos 62 pessoas e deixou dezenas feridos incluindo crianças.

Vítimas

António Guterres destaca que os responsáveis pelo ato devem prestar contas.  Na nota, o chefe da ONU expressa solidariedade às famílias das vítimas, aos feridos, ao povo e ao Governo do Afeganistão.

A força da explosão destruiu vários telhados dos prédios segundo relatos das agências.

Mortes

A ação aconteceu um dia após a Missão da ONU no Afeganistão, Unama, ter anunciado que o país teve um número de mortes recorde no trimestre que terminou em setembro

A Unama revelou que 1.174 civis perderam a vida no período entre julho e setembro, o maior que ocorre em três meses em 10 anos de registro.