Dia Mundial da Alimentação ressalta importância de dietas saudáveis
BR

16 outubro 2019

Em mensagem, secretário-geral lembra que mundo tem mais de 820 milhões de pessoas passando fome; ao mesmo tempo, 2 bilhões de homens, mulheres e crianças estão acima do peso ou obesos; falta de tempo para cozinhar em casa também influi na falta de dietas saudáveis.

Para alcançar o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 2, sobre Fome Zero, o mundo deverá abordar não apenas o combate à fome, mas também a forma de nutrição das pessoas.

FAO convida todos a refletirem sobre o que ingerem. , by Foto: FAO/Benjamin Rasmussen

Para isso, a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, FAO, decidiu destacar a necessidade de dietas saudáveis e sustentáveis neste Dia Mundial da Alimentação.

Mensagem

A agência também está pedindo ações para que essas dietas sejam acessíveis a todos.

Em mensagem sobre o Dia, o secretário-geral da ONU, António Guterres, lembrou que 820 milhões de pessoas passam fome no mundo.

Com o tema Nossas Ações são o Nosso Futuro – Dietas Saudáveis para um Mundo #FomeZero, a FAO também convida todos a refletirem sobre o que ingerem.

Guterres disse que “a emergência climática está aumentando a ameaça à segurança alimentar.”

Obesidade

O chefe da ONU destacou ainda que “ao mesmo tempo, 2 bilhões de homens, mulheres e crianças estão acima do peso ou obesos” e que as “dietas que não são saudáveis representam um enorme risco de doença e morte.”

Guterres disse que “é inaceitável que a fome esteja aumentando num momento em que o mundo desperdiça mais de 1 bilhão de toneladas de alimentos todos os anos.” Para ele, “como família humana, um mundo sem fome” é uma obrigação.

Dietas

A FAO afirma que nas últimas décadas, as dietas e hábitos alimentares mudaram drasticamente como resultado da globalização, urbanização e crescimento da renda.

Menos tempo é gasto na preparação de refeições em casa, e os consumidores, especialmente nas áreas urbanas, dependem cada vez mais de supermercados, lanchonetes ou de comprar comida na rua.

A agência da ONU destaca que uma combinação de dietas pouco saudáveis e estilos de vida sedentários provocou um aumento nas taxas de obesidade, não apenas nos países desenvolvidos, mas também nos países de baixa renda, onde convivem fome e obesidade.

Dados da FAO indicam que a obesidade e outras formas de desnutrição afetam quase uma em cada três pessoas. Até 2025, este número será de um em dois.

Guterres lembrou que 820 milhões de pessoas passam fome no mundo. , by Foto: FAO/Djibril Sy

Comprometimento

A boa notícia, segundo a agência, é que existem soluções acessíveis para reduzir todas as formas de desnutrição, mas estas exigem um comprometimento maior de todos.

Como parte das celebrações do Dia Mundial da Alimentação, 150 países realizarão eventos e atividades de divulgação que reunirão governos, empresas, ONGs, a mídia e o público em geral.

O objetivo é promover a conscientização e a ação para aqueles que sofrem de fome e para a necessidade de garantir dietas saudáveis para todos.

Faça do #WorldFoodDay o seu dia - compartilhe sua ação individual no #ZeroHunger ou participe desenvolvendo um evento ou atividade em grupo.

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Unicef alerta que 1 em cada 3 crianças com menos de 5 anos está desnutrida ou acima do peso

Informação faz parte de novo relatório do Fundo das Nações Unidas para a Infância; dentre os lusófonos, Timor-Leste tem a taxa mais alta de desnutrição crônica; no Brasil, cerca de 6% das crianças com menos de quatro anos são obesas.

FAO: redução de perdas e desperdícios alimentares é essencial para alcançar metas globais

Agência da ONU fornece novas estimativas de perda de alimentos desde a pós-colheita até, mas excluindo, o varejo; objetivo é ajudar a identificar medidas apropriadas para uma redução eficaz do problema; economista da FAO cita exemplo brasileiro para lidar com questão.