OMS elogia sucesso no combate ao ebola, mas diz que não é hora de baixar a guarda

10 outubro 2019

Número de novas infeções na República Democrática do Congo continua a cair; desde que o surto foi declarado em agosto de 2018, mais de 2,1 mil pessoas morreram, entre elas 160 profissionais de saúde.

O combate contra a epidemia de ebola na República Democrática do Congo, RD Congo, está a ser bem-sucedido, mas “o surto ainda não acabou.”

A informação foi confirmada pelo diretor executivo do Programa de Emergências da Organização Mundial da Saúde, OMS. Falando a jornalistas em Genebra, Michael Ryan disse que "agora é preciso matar o vírus."

Descida

Na semana entre 30 de setembro e 6 de outubro, foram confirmados apenas 14 novos casos, seis a menos que há uma semana, nas províncias de Kivu Norte e Ituri.

Os números baixam desde meados de setembro, quando foram notificados 51 casos numa semana. No pico do surto, em abril desse ano, mais de 120 pessoas contraíam o vírus semanalmente.

Michael Ryan, que liderou a campanha da agência na RD Congo, disse que "as melhorias necessárias demoraram muito tempo a acontecer." Segundo ele, "não havia soluções mágicas, foi um trabalho diário, aprendendo a fazer melhor vigilância, envolvendo melhor as comunidades, vacinando mais pessoas."

Desde que o surto foi declarado em agosto do ano passado, morreram mais de 2,1 mil pessoas, incluindo 160 profissionais de saúde. Cerca de mil congoleses sobreviveram.

Mudança

O especialista da OMS informou que “é impossível prever para onde o surto irá em seguida, mas está contido numa área geográfica muito menor.” Também se concentra agora em áreas rurais, afastadas das grandes cidades, onde o perigo de propagação é maior.

O representante da OMS destacou a cooperação com as autoridades nacionais e disse que o governo negocia com grupos armados o acesso a áreas de difícil acesso.

Segundo ele, também aumentou a confiança das comunidades nos profissionais de saúde. Os moradores estão buscando tratamento em maior número e de forma mais atempada, reduzindo os riscos de contágio.

Essa mudança tem impacto na taxa de sobrevivência. Embora o vírus mate, em média, 67% de todas as pessoas que são contaminadas, dentro das unidades de tratamento cerca de 30% dos infetados ainda perdem a vida.

Encontro

Segundo a OMS, algumas pessoas foram testadas para o vírus na Tanzânia, mas os resultados foram negativos. No momento, também não existem informações sobre o ebola em outros países.  

Esta quinta-feira, o diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus, convoca uma reunião do Comitê Internacional sobre o surto, em Genebra, para discutir a situação.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

República Democrática do Congo comemora sobrevivência ao ebola com recuperação de paciente número 1000

Em comunicado, emitido por várias agências das Nações Unidas, país celebra sucesso no enfrentamento ao vírus; surto iniciado em agosto de 2018 na província de Kivu Norte se espalhou rapidamente a outras partes da nação africana.