Haiti: ajuda humanitária suspensa após insegurança causada por protestos
BR

8 outubro 2019

Três semanas de manifestações impediram entrega de merenda escolar pelo Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas, PMA; agência da ONU opera a maior rede de distribuição de comida no país.

O Programa Mundial de Alimentos, PMA, e outras agências humanitárias foram obrigadas a interromper a distribuição de comida e outros itens após uma onda de insegurança no Haiti.

Há três semanas, milhares de pessoas estão saindo às ruas para protestar contra medidas políticas e econômicas da ilha caribenha.

Jean-Pierre Lacroix fez balanço no Conselho de Segurança sobre situação no Haiti em abril de 2019. Foto ONU/Eskinder Debebe

Equipamento

Pelo menos uma pessoa morreu quando a polícia interveio com equipamento antimotim e gás lacrimogêneo na tentativa de reprimir o tumulto.

Com a tensão, muitas escolas foram fechadas e o PMA não pôde entregar merendas. A agência da ONU opera a maior rede de segurança alimentar do Haiti e tem como meta distribuir 300 mil refeições por dia.

Uma outra interrupção ocorreu nas transferências monetárias para quem sofre com insegurança alimentar. Em janeiro, havia 2,6 milhões de haitianos nesta situação.

Em nota, o PMA pediu a todos que respeitem os princípios da ajuda humanitária que são imparcialidade, neutralidade e independência nas operações para que a ajuda chegue a quem precisa.

A agência disse que pode entregar alimentos a qualquer momento em que a segurança seja garantida.

O PMA informou que segue avaliando a situação em coordenação com o sistema da ONU no país.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

ONU pede a manifestantes e autoridades para que se abstenham de violência no Haiti

Segundo agências de notícias, profunda crise econômica levou milhares de pessoas às ruas; porta-voz do secretário-geral afirmou que o povo é que “está sofrendo o impacto desta crise".