Projeto da ONU com Moçambique avança serviços de saúde em áreas rurais

8 outubro 2019

Juntos e sincronizados, os Agentes de Polivalentes Elementares (APEs), as Parteiras Tradicionais (PT), os activistas e os Comités de Saúde (CS) estão a fazer uma grande diferença com a sua contribuição na promoção da saúde, prevenção de doenças e na provisão de cuidados básicos aos cidadãos que vivem nas áreas onde as Unidades Sanitárias estão distantes das suas residências.

Uma parceria das Nações Unidas com o governo de Moçambique e agências internacionais ajuda a melhorar a vida de muitas pessoas nas áreas rurais do país africano.

Uma visita de monitoria às atividades do Programa Conjunto do Departamento para o Desenvolvimento Internacional do Reino Unido (DfID) e as Agências do Sistema das Nações Unidas (ONU) em Moçambique em apoio à Saúde Reprodutiva, Materna, Neonatal, Infantil e do Adolescente foi realizada no mês passado. O projeto cobre o período 2017 a 2020. 

A iniciativa é apoiado pelo DfID no total de US$ 30 milhões de dólares num programa de três anos

O objetivo do programa Conjunto DfID/ONU é melhorar a procura, a utilização e a qualidade das intervenções da saúde sexual e reprodutiva materna.

A iniciativa é apoiada pelo DfID, e conta com um total de US$ 30 milhões de dólares num programa de três anos. O mesmo conta com o apoio técnico da Organização Mundial da Saúde (OMS), do Fundo das Nações Unidas para a População (Unfpa) e do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

Nos vários encontros mantidos, as autoridades sanitárias de Nampula e da Zambézia revelaram que com a implementação do programa conjunto DfID/ONU registou-se um aumento no número de mulheres que dão à luz nas unidades sanitárias, no número dos que aderem aos métodos do planeamento familiar, e de crianças completamente vacinadas.

O outro exemplo similar de envolvimento comunitário é o da área de saúde de Téngua, pertencente ao distrito de Milange. Com um total de aproximadamente 620 mil habitantes, o Distrito de Milange conta também com 17 Unidades Sanitárias do Serviço Nacional de Saude  e possui 103 APEs e uma turma de 28 em formação. Tem parteiras tradicionais, ativistas e um Comité de Saúde funcional com 25 membros. O CS é composto por representantes das lideranças comunitárias e religiosas, da Associação da Medicina Tradicional de Moçambique (Ametramo), das Parteiras Tradicionais, do setor da educação e representante do sector da Saúde e dum ponto focal da Rádio Comunitária de Milange. Os Comités de Saúde de Monapo, de Milange e de Mocuba reúnem-se uma vez por mês.

O envolvimento comunitário é um dos pilares da Estratégia Nacional de Promoção de Saúde. Envolvimento comunitário significa trabalhar ativamente com as comunidades para que elas estejam organizadas e capacitadas para identificar os seus problemas de saúde e definir ações visando a promoção da sua saúde e a prevenção de doenças.

Para um envolvimento comunitário efetivo é necessário garantir uma maior coordenação das ações dos diferentes intervenientes e salvaguardar o papel do Ministério da Saúde, como agente facilitador do processo.

De facto, este aspeto está patente no trabalho com a comunidade em Monapo e Milange, locais onde a missão de monitoria se reuniu, nos dias 17 e 19 de setembro com as comunidades.

*Helvisney Cardoso da ONU Moçambique para a ONU News. 

Lembre aqui o especial da ONU News sobre pessoas vivendo com HIV nas regiões afetadas pelos ciclones em Moçambique:

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Nações Unidas entregam viatura para apoiar maior área protegida em Moçambique

Expectativa do Pnud é que veículo também beneficie funcionários da Reserva Nacional do Niassa; uma parte deles vive a 30 km do local de trabalho; região de conservação também é financiada pelo Fundo Global para o Meio Ambiente.*