Protagonista do filme Roma recebe título de embaixadora da Boa Vontade da Unesco

7 outubro 2019

Primeira indígena mexicana indicada ao prêmio Oscar, Yalitza Aparicio, quer apoiar indígenas e promover direitos da mulher; Roma foi o primeiro trabalho da jovem atriz que recebeu vários prêmios este ano.

A atriz mexicana, Yalitza Aparicio, recebeu na sexta-feira o título de mais nova embaixadora da Boa Vontade da Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura, Unesco, para Povos Indígenas. 

A estreia de Aparicio no cinema ocorreu com o filme Roma, uma produção da Netflix, que lhe rendeu uma indicação na categoria de melhor atriz ao Oscar, considerado a mais importante premiação do cinema mundial.

Aprender

Trabalhar pelas causas de povos indígenas e das mulheres são as áreas que a atriz se propõe abraçar em seu papel junto à Unesco. Segundo ela, deve-se “aprender dos povos indígenas porque estes têm muito por ensinar”.

A atriz contou que vai trabalhar pelas causas indígenas e das mulheres em sua nova função com a Unesco. Segundo ela, “os povos indígenas têm muito a ensinar”.

 

Filha de indígenas do estado de Oaxaca, no sul do México, Aparicio conta que não sabe falar as línguas dos país porque enfrentava preconceito. O pai dela é de origem triqui e a mãe mixteca.

No filme Roma, ela encarna Cleo, uma trabalhadora doméstica de uma família de classe média na Cidade do México.

No evento para receber o título, em Paris, Yalitza Aparicio disse que tem orgulho de ser indígena.

Como embaixadora, ela se junta a outras personalidades como o tenor espanhol Plácido Domingo.

Aparicio foi a primeira indígena mexicana a ser indicada ao Oscar. A revista americana Time incluiu a atriz na lista das 100 pessoas mais influentes do mundo em 2019.

Este ano, ela foi uma das figuras mais importantes na promoção do Dia Internacional dos Povos Indígenas, marcado em 9 de agosto, e que apoiou a campanha “Digo não ao racismo!”

A atriz participou de atividades da Comissão Mexicana de Defesa e Promoção dos Direitos Humanos. Ela também incentiva a educação infantil, ajudando a angariar fundos para escolas na cidade em que nasceu.

Celebração

Na Unesco, Yalitza Aparicio ajudará a garantir a integração dos povos indígenas em todo o mundo, a concretização de seus direitos, a proteção e a celebração do patrimônio cultural.

Ela também deverá incentivar a inclusão do conhecimento indígena na gestão ambiental, na preservação da biodiversidade, na adaptação às mudanças climáticas, e na igualdade de acesso à educação para os povos indígenas.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Direitos humanos entre os temas de filmes em cerimônia do Oscar deste ano

Igualdade de gênero, marginalização das línguas indígenas, migração, crise de refugiados, vida das trabalhadoras domésticas, e pobreza são questões do trabalho das Nações Unidas presentes em alguns dos filmes do Oscar.

Educação em comunidades indígenas do Brasil é baseada no idioma nativo

Dia Internacional da Língua Materna é comemorado em 21 de fevereiro; acadêmica brasileira destaca legislação específica de ensino para povos indígenas; cineasta mexicano Alfonso Cuáron explica uso de língua do povo Oaxaca, no filme “Roma”.