Trump destaca que o “futuro não pertence aos globalistas”
BR

24 setembro 2019

Presidente dos Estados Unidos realça segurança, comerciais e desnuclearização; Trump defende que seu país embarca em “um emocionante programa de renovação nacional”.

O presidente dos Estados Unidos disse que o mundo enfrenta a “divisão essencial” que vem marcando a história “entre os que pensam que controlam e estão iludidos ao pensar que estão destinados a governar” e outros que defendem que podem dirigir seus os próprios destinos.

Falando na reunião de alto-nível da 74ª Assembleia Geral, Donald Trump disse que os Estados Unidos gastaram US$ 3,5 trilhões para reerguer o exército sendo ainda “a nação mais poderosa do mundo”. Ele disse que sua expectativa é que “não seja usado esse poder”.

O presidente dos EUA, Donald Trump, cumprimenta o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, na Zona Desmilitarizada Coreana, que separa a Coreia do Norte e do Sul em 30 de junho de 2019. Foto: Casa Branca/Shealah Craighead

Domínio

O líder americano destacou que os cidadãos dos Estados Unidos sabem que em um mundo em que uns querem conquistar e dominar seu país deve ser “forte em riqueza, em poder e em espírito”.

No seu discurso, Trump disse que “o globalismo exerceu uma influência religiosa sobre os líderes anteriores, fazendo com que eles ignorassem seus próprios interesses nacionais. Esses dias acabaram.”

Em suas declarações, ele reiterou que o “futuro não pertence aos globalistas. O futuro pertence aos patriotas”. Trump defendeu que “por essa razão, nos Estados Unidos se está embarcando em “um emocionante programa de renovação nacional”.

O presidente americano disse que a segurança do seu país foi comprometida pela ameaça representada pelo Irã e alertou que este país interrompa o que chamou “sua agressão aos aliados de Washington no Oriente Médio”.

Os Estados Unidos nunca acreditaram em inimigos permanentes. Queremos parceiros, não adversários

Comportamento

Sobre a situação com Teerã, o líder norte-americano declarou que “enquanto o comportamento ameaçador continuar, as sanções não serão levantadas.”  Elas serão agravadas”.

Trump destacou que os EUA “não buscam conflitos com nenhuma outra nação.” Ele afirmou que seu país deseja “paz, cooperação e ganho mútuo com todos”. Mas sublinhou que não deixará de “defender os interesses da América.”

O representante destacou que “os Estados Unidos nunca acreditaram em inimigos permanentes. Queremos parceiros, não adversários.”

ONU/Manuel Elias
O secretário-geral António Guterres e Donald Trump, presidente dos Estados Unidos, participam de evento sobre liberdade religiosa na sede da ONU.

China

Trump disse que a disputa comercial com a China continuaria e pediu ainda ao país que “respeite os manifestantes de Hong Kong”.

O apelo feito à Coreia do Norte é que siga o caminho da desnuclearização. Ele destacou a expectativa de alcançar um acordo comercial que considerou “magnífico” com o Reino Unido após o Brexit.

O discurso abordou ainda a situação venezuelana, onde apelou ao líder venezuelano Nicolas Maduro que se “quer paz, ame sua nação. Para Trump, “líderes sábios sempre colocam o bem de seu próprio povo e seu próprio país em primeiro lugar.”

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Na ONU, presidente Jair Bolsonaro apresenta “um novo Brasil”

Bolsonaro explicou como seu governo está tentando resgatar o patriotismo e “rechaçar o socialismo” de várias décadas; para chefe de Estado, a floresta amazônica é do Brasil e o país é soberano para gerenciá-la; este é o primeiro discurso do presidente nas Nações Unidas desde que foi eleito no ano passado.

Nas Nações Unidas, Estados Unidos pedem proteção para liberdade de religião

Presidente Donald Trump afirmou que a liberdade de credo e religião são garantidas pela Constituição dos Estados Unidos e protegida pela Declaração dos Direitos, o nome dado às primeiras 10 emendas da carta magna do país.