Iniciativa da ONU dobra número de refugiados matriculados em universidades no Brasil
BR

20 setembro 2019

Acnur aponta que no mundo, apenas 3% dos refugiados em idade acadêmica estão matriculados em universidades; 18 instituições brasileiras ofereceram cursos de português, atendendo cerca de 1,4 mil refugiados, migrantes e solicitantes de asilo.

No Brasil, o número de refugiados e solicitantes de refúgio matriculados em universidades que integram a Cátedra Sérgio Vieira de Mello, Csvm, dobrou em 2019, na comparação com o ano anterior.

A Agência de Refugiados da ONU, Acnur, destaca que 11 universidades brasileiras facilitavam o ingresso de refugiados em 2018. Esse ano, o número passou para 13.

Refugiados e migrantes venezuelanos no Brasil, by Acnur/ Luiz Fernando Godinho

O representante do Acnur no Brasil, Jose Egas, destacou que “possibilitar o acesso de refugiados ao ensino superior é um mecanismo fundamental de assegurar seus conhecimentos e os integrar à sociedade.”

Para Egas, “o ensino superior transforma os alunos em profissionais qualificados que contribuem para o desenvolvimento das cidades brasileiras e do país.”

Trabalho

No âmbito da extensão universitária, 19 instituições promovem serviços de proteção e integração de refugiados e solicitantes de refúgio no Brasil. Desse total, 14 universidades fornecem o serviço de assessoria jurídica em seus projetos de extensão, que, em 2019, contabilizou cerca de 860 atendimentos.

Em relação aos serviços de integração laboral, 11 instituições de ensino superior realizaram 760 atendimentos no período, e 18 instituições ofereceram cursos de português, atendendo cerca de 1,4 mil de refugiados, solicitantes de asilo e migrantes.

Cooperação

Desde 2003, o Acnur atua com a Cátedra Sérgio Vieira de Mello, em cooperação com centros universitários nacionais e com o Comitê Nacional para Refugiados, Conare.

Neste acordo de cooperação com as universidades interessadas, a agência estabelece um termo de referência com objetivos, responsabilidades e critérios para adesão à iniciativa dentro das três linhas de ação, que são educação, pesquisa e extensão.

Formação Acadêmica

Além de difundir o ensino universitário sobre temas relacionados ao refúgio, a Cátedra também visa promover a formação acadêmica e a capacitação de professores e estudantes dentro desta temática.

O trabalho direto com os refugiados em projetos de extensão também é definido como prioridade.

Já no eixo da pesquisa acadêmica, 40 grupos de pesquisa sobre o refúgio e temas relacionados estão atuantes em 18 instituições de ensino superior conveniadas à Csvm, promovendo debates e pesquisas sobre a temática. O Acnur aponta que um dos resultados desses grupos é a publicação “Perfil Socioeconômico dos Refugiados no Brasil”.

Universidades

Veja abaixo as 22 universidades que integram a Cátedra Sérgio Vieira de Mello, do Acnur.

  • Fundação Casa de Ruy Barbosa – Fcrb
  • Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais - PUC-Minas
  • Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC-Rio
  • Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC-SP
  • Universidade Católica de Santos Unisantos – Unisantos
  • Universidade de Brasília - UnB
  • Universidade de Campinas – Unicamp
  • Universidade de Vila Velha - UVV
  • Universidade do Vale do Rio dos Sinos - Unisinos
  • Universidade Estadual da Paraíba – Uepb
  • Universidade Estadual do Rio de Janeiro – Uerj
  • Universidade Federal da Grande Dourados – Ufgd
  • Universidade Federal de Santa Catarina – Ufsc
  • Universidade Federal de Santa Maria - Ufsm
  • Universidade Federal de São Carlos – Ufscar
  • Universidade Federal do ABC - Ufabc
  • Universidade Federal do Espírito Santo – Ufes
  • Universidade Federal de São Paulo - Unifesp
  • Universidade Federal do Paraná – Ufpr
  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul - Ufrgs 
  • Universidade Federal de Roraima - Ufrr
  • Universidade Federal Fluminense - UFF

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud