FAO: Cabo Verde e Moçambique integram lista de 41 países que precisam de assistência alimentar

19 setembro 2019

Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, FAO, publicou lista de países que precisam de ajuda externa; em Cabo Verde, 2% da população está em situação de crise; já em Moçambique, ciclones aumentaram insegurança alimentar em 85% se comparado ao ano passado.

Cabo Verde e Moçambique estão na lista de 41 países que precisam de assistência alimentar externa. A informação foi publicada esta quinta-feira pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO.

Os dois países de língua portuguesa estão na categoria de insegurança alimentar severa localizada, segundo o relatório Perspectivas de Colheitas e Situação Alimentar.

Lusófonos

Cabo Verde tem projetos para combater a seca, Governo da Paraíba/Divulgação

A situação em Cabo Verde é causada pelo baixo desempenho do setor agrícola e pastoril. No período entre junho e agosto, cerca de 9 mil pessoas estavam na Fase 3, da Crise. Esse número representa cerca de 2% da população total do país.

Em Moçambique, a FAO diz que os ciclones e secas severas pioraram a situação nas regiões central e sul. Cerca de 1,65 milhão de pessoas enfrentam insegurança alimentar, um aumento de 85% em relação ao mesmo período do ano anterior.   Zimbabué e Moçambique registraram os maiores aumentos nas necessidades de importação.

Segundo a agência, não são esperadas grandes melhorias antes de março de 2020, quando começa a época principal de colheita.

Causas

Os conflitos e condições climáticas adversas continuam sendo as principais causas dos altos níveis de insegurança alimentar. Os países da lista, que incluem 31 Estados africanos, não mudaram nos últimos seis meses.

Cerca de metade dos países da lista são afetados por conflitos e violência. Outros enfrentam um grande fluxo de refugiados de países vizinhos.

No continente asiático, o Afeganistão, 3,6 milhões de pessoas estão em níveis de emergência, com outros 10 milhões em níveis de crise. No Sudão do Sul, cerca de 6,35 milhões de pessoas, ou 54% da população total, estão em situação de insegurança alimentar severa.

Já na Síria, o aumento da produção de trigo melhorou a disponibilidade de cereais, mas cerca de 6,5 milhões continuam em situação de insegurança.

A crise na Venezuela agravou a situação alimentar. Ali, a inflação diminuiu o poder de compra dos cidadãos. Cerca de 4,3 milhões de pessoas deixaram o país e se estabeleceram nos países vizinhos, onde continuam tendo necessidades significativas.

Mundo

A baixa precipitação, incluindo seca severa na África Oriental, está piorando a situação de insegurança alimentar em vários países da região.

A produção de cereais na África Oriental deve cair 5,6% em 2019, fazendo aumentar os preços em toda a região. Os piores efeitos são sentidos no Quênia e na Somália.

Na Mauritânia, a falta de chuva provocou os níveis de produção mais baixos dos últimos 20 anos. No Zimbabué, o número de pessoas com insegurança alimentar no início de 2020 deve ser o dobro do que era no mesmo período em 2019.

Na Coreia do Norte, deve continuar a baixa produção agrícola. Estima-se que cerca de 40% da população está em situação de insegura alimentar.

 

Telcinha dos Santos/FAO Moçambique
Cerca de 11 mil famílias devem ser beneficiadas pela distribuição que acontece em áreas onde as populações são mais vulneráveis

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

FAO e OIM entregam recursos a milhares de afetados pelo ciclone Idai em Moçambique

Iniciativa deverá apoiar cerca de 11 mil  agregados; prioridade será dada a pessoas que sofreram danos nas colheitas, perderam alimentos e ficaram sem reservas de sementes.*