Vítimas de desnutrição aguda aumentam no Sudão do Sul

12 setembro 2019

Avaliação sobre estado da emergência alimentar revela subida de 3% em um ano; situação é causada por altos níveis de insegurança alimentar, hábitos de alimentação de bebês e crianças pequenas.

Agências das Nações Unidas alertaram que pelo menos 1,3 milhão de crianças com menos de cinco anos enfrentarão desnutrição aguda no Sudão do Sul em 2020.

A previsão faz parte de um relatório que apresenta a situação da emergência alimentar divulgado na quarta-feira em Juba, em parceria com o Governo do Sudão do Sul.

Sudão do Sul vive a maior crise de deslocamento da África. Foto: ONU/Isaac Billy

Crianças 

O mais novo país do mundo teve uma subida no nível de desnutrição aguda entre crianças dos 13% de 2018 para 16% este ano. Estes números estão acima do limite, de acordo com a mais recente Classificação Integrada de Fase de Segurança Alimentar, conhecida por IPC.

O estudo envolveu o Governo do Sudão do Sul, a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO, o Fundo da ONU para a Infância, Unicef, e o Programa Mundial de Alimentos, PMA.

As razões para as altas taxas de desnutrição aguda são altos níveis de insegurança alimentar, maus hábitos alimentares para bebês e crianças pequenas. Outra razão é o alto número de pessoas que adoecem devido aos fracos sistemas de saúde.

Complexidade

Para o representante do Unicef no Sudão do Sul, Mohamed Ag Ayoya, o aumento da desnutrição aguda em crianças revela a complexidade da questão, mas também como é pouco o tempo para a reconstrução e destruição.

Para ele, essa situação exige uma mudança de paradigma, colocando a prevenção em primeiro lugar, antes de se aumentar o tratamento.

Um comboio transportando produtos para combater a desnutrição aguda foi enviado às regiões do Grande Nilo e do antigo estado de Warrap.

O relatório destaca ainda que mais da metade dos cerca de 13 milhões de sul-sudaneses ainda enfrenta grave escassez de alimentos apesar da leve melhora na situação de segurança alimentar.

PMA/Gabriela Vivacqua
PMA assiste 29 mil pessoas em Pieri, no Sudão do Sul. Cerca de 6,6 mil são crianças.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Sudão do Sul: “país viu tragicamente mais guerra do que paz” após independência

Dia 9 de julho marca 8º aniversário da independência da mais nova nação do mundo; país vive a maior crise de deslocamento da África.

Mais de metade da população do Sudão do Sul em risco de insegurança alimentar  

Cerca de 6,96 milhões de pessoas devem enfrentar níveis agudos de insegurança alimentar ou piores até o final de julho; baixa produção de alimentos, insegurança e conflito estão entre as principais causas; agências da ONU preparam resposta.