Chefe da ONU saúda troca de prisioneiros entre Rússia e Ucrânia
BR

8 setembro 2019

Secretário-geral das Nações Unidas emitiu comunicado elogiando envolvidos; Guterres disse que "espera que esse importante ato humanitário possa servir como um passo positivo para fortalecer a confiança entre todos.” 

Em comunicado emitido neste domingo pelo seu porta-voz, o secretário-geral das Nações Unidas saudou a troca de prisioneiros e detidos entre a Rússia e a Ucrânia, ocorrida no sábado. António Guterres elogiou todos os envolvidos, incluindo o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, e o presidente russo, Vladimir Putin.

O chefe da ONU disse que "espera que esse importante ato humanitário possa servir como um passo positivo para fortalecer a confiança entre todos, possibilitando um diálogo regular e construtivo em todos os níveis, com o objetivo de abrir caminho para uma eventual solução do conflito no leste da Ucrânia.”

Esforços de Paz

Guterres também fez um apelo para que todas as partes relevantes tomem “medidas adicionais nesse espírito, para garantir um impulso contínuo nos esforços de paz em andamento” pelos Quatro da Normandia, formado pela Ucrânia, a Alemanha, a França e a Rússia, o Grupo de Contato Trilateral,  a OSCE e outros atores, “inclusive garantindo um cessar-fogo duradouro, facilitando as condições humanitárias ao longo da linha de contato e permitindo o progresso na implementação dos Acordos de Minsk.”

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

ONU disponibiliza US$ 125 milhões para crises humanitárias subfinanciadas

Um total de 13 países terá reforço de verbas; ajuda vai chegar a 9 milhões de pessoas; apoio à educação, pessoas com deficiência e igualdade de género são prioridades.

ONU pede US$ 162 milhões para apoiar os mais necessitados no leste da Ucrânia

Plano de Assistência Humanitária para 2019 está em discussão; chefe humanitária apela à comunidade internacional que não esqueça a crise naquele país; financiamento tem diminuído apesar das necessidades crescentes.