Na ONU, Angola diz “realizar todos os esforços para enfrentar desafios” de pobreza e saúde

6 setembro 2019

Representante permanente do país junto à organização participou em encontro da Comissão Executiva do Fundo das Nações Unidas para a População; duas agências apresentaram programas para o país esta semana.

A embaixadora de Angola junto às Nações Unidas, Maria de Jesus Ferreira, disse esta quinta-feira que o governo do país “realiza todos os esforços para enfrentar os desafios” na área da pobreza e saúde.

Esta semana, foram apresentados em Nova Iorque os planos para Angola do Fundo de População das Nações Unidas, Unfpa, e do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, Pnud.

Planos

Maria de Jesus Ferreira disse que dois programas devem fortalecer cooperação com Nações Unidas, ONU News

Na sede da ONU, a embaixadora angolana participou em um encontro da Comissão Executiva do Unfpa, do Pnud e do Escritório das Nações Unidas de Serviços para Projetos, Unops.

Durante o evento, a diretora regional do Unfpa para a África Ocidental e Austral apresentou o 8º Programa Nacional para Angola, para o período 2020-2022.

A embaixadora disse que o documento “é guiado pela visão do Unfpa de acabar com as mortes maternas evitáveis, a necessidade sem resposta de planeamento familiar, a violência baseada no gênero e todas as práticas prejudiciais.”

O plano foi preparado com o governo de Angola, agências da ONU, sociedade civil e organizações de jovens. O documento está alinhado com o Plano Nacional de Desenvolvimento 2018-2022, os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, ODSs, e a Agenda 2063 da União Africana.

Compromisso

Segundo a representante, o governo angolano tomou nota do documento e acredita que a sua adoção “fortalecerá ainda mais a coordenação” com o Unfpa e aumentará o papel da agência “para complementar os esforços do governo para promover o bem-estar de adolescentes e jovens.”

Também esta semana, o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, Pnud, apresentou o seu plano para o país.

Maria de Jesus Ferreira disse que o governo tomou igualmente conhecimento dos desafios identificados em relação à pobreza, ao desemprego, às altas taxas de mortalidade materna, infantil e juvenil e à alta incidência de malária. Também é referida a mudança climática, que causa secas nas províncias do sul de Angola.

Para concluir, a representante reiterou “o compromisso do governo angolano de promover e proteger a qualidade de vida e o bem-estar de todos os angolanos.”

A embaixadora espera que os planos do Pnud e do Unfpa “guiem e fortaleçam a cooperação entre Angola e as Nações Unidas”.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Angola: transferências monetárias chegam a 14 mil famílias que vivem em extrema pobreza

ONU implementa nova parceria financiada pela União Europeia; projeto-piloto terá impacto em cerca de 20 mil crianças do campo; iniciativa quer promover acesso a serviços sociais e atividades de empreendedores em seis municípios.