Apoio pós-ciclones é impulsionado com mais fundos em Moçambique

1 setembro 2019

PMA e Unicef recebem US$ 4,1 milhões da Noruega para beneficiar vítimas dos ciclones Idai e Kenneth; cerca da metade do montante será aplicada no auxílio a crianças com deficiência e outra parte em ações de recuperação.*

O Programa Mundial de Alimentação, PMA, e o Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, implementam desde agosto programas de recuperação resiliente das vítimas dos ciclones Idai e Kenneth que este ano passaram por Moçambique.

Para fazer face às necessidades das populações afetadas, as agências da ONU lançaram apelos para o financiamento da recuperação, a médio e longo prazos, que tiveram respostas da Noruega no valor total de US$ 4,1 milhões.

PMA e Unicef recebem US$ 4,1 milhões da Noruega para beneficiar vítimas dos ciclones Idai e Kenneth. Foto: Unicef/James Aldworth

Acordo

No ato da formalização do acordo de financiamento, em Maputo, a embaixadora norueguesa em Moçambique, Aud Marit Wiig, citou a importância do apoio para os grupos-alvo mais necessitados.

“Não devemos esquecer as pessoas e as comunidades afetadas pelos ciclones. Temos que apoiar para que possam sobreviver, até que possam ter a colheita da próxima época e normalizar as suas vidas. Agora, o nosso foco está na reabilitação e reconstrução pós-ciclone, através destes dois acordos que acabamos de assinar e outro acordo que vamos assinar com o Fnuap.”

Durante a resposta de emergência aos ciclones Idai e Kenneth, o PMA alcançou 1,8 milhão de pessoas com assistência alimentar. Já o Unicef e seus parceiros beneficiaram mais de 620 mil pessoas com várias atividades.

As ações foram implementadas em áreas incluindo saneamento, promoção de higiene, práticas seguras de tratamento de água, proteção de pessoas vulneráveis contra abusos e exploração, vacinação contra a cólera, espaços para aprendizagem e recreio de crianças.

Unicef/James Aldworth
Ato da formalização do acordo de financiamento, em Maputo, Moçambique.

Deficiência

O representante do Unicef em Moçambique, Marcoluigi Corsi destacou as prioridades que deverão ser consideradas, cumprindo com metas globais de desenvolvimento.

“Com esta doação de mais de U$S 2,1 milhões temos um foco na educação, sobretudo apoiar a criança com deficiência. Vamos reabilitar cerca de 50 escolas que vão beneficiar 1,5 mil crianças com deficiência. Para nós, isso é muito importante porque um dos temas principais dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável é “Não deixar ninguém para trás”.

Na ocasião, a representante do PMA em Moçambique, Karin Manente, elogiou o apoio da Embaixada da Noruega em Moçambique revelando que várias atividades ainda estão por implementar.

“O financiamento do Governo da Noruega, que totaliza US$ 2 milhões, vai permitir o PMA fornecer assistência alimentar as famílias mais vulneráveis afetadas pelo ciclone nas províncias de Sofala, Manica, Tete, Zambézia, Cabo Delgado e Nampula. Permitirá o PMA apoiar, mensalmente, por volta de 137 mil pessoas na criação de vários bens a nível comunitário, na transferência de insumos, de conhecimentos para participantes na ajuda incondicional e aquelas que não puderam participar nestas atividades.”

Segurança

O PMA disse concentrar seus esforços na proteção e promoção de meios locais para alcançar a segurança alimentar e nutricional.

O Unicef reiterou o compromisso de tornar a ação humanitária inclusiva às pessoas com deficiência e garantir que os serviços humanitários sejam totalmente acessíveis.

 

De Maputo para ONU News, Ouri Pota

 

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Em Moçambique, atores Bruno Gagliasso e Giovanna Ewbank participam de ação após ciclones

Ator e apresentadora de televisão estiveram em regiões afetadas por desastres naturais com o Unicef; casal participou em campanha de angariação de fundos que permitiu desenvolver vários projetos humanitários.

Relatório apoiado pelo FMI diz que economia de Moçambique está em momento de mudança

Pesquisa afirma que esforços para solucionar vulnerabilidades de governança e corrupção podem ter impacto positivo duradouro; custos da corrupção durante período de 2002 a 2014 chegaram a US$ 4,9 mil milhões.