FAO incentiva parceria com Japão para melhorar nutrição em países africanos

27 agosto 2019

Futura colaboração pode ser consolidada em tecnologias inteligentes, maquinaria agrícola e marketing; chefe da agência defende apoio ao continente com a maior prevalência de desnutrição.

Esforços para melhorar níveis de nutrição em África juntaram chefes de Estado, ministros da agricultura e representantes do governo da Nova Parceira Africana para o Desenvolvimento, Nepad, e da Cooperação Internacional Japonesa, Jica.

O evento organizado pela Iniciativa para a Segurança Alimentar e Nutricional em África, Ifna, foi realizado em Tóquio com a presença do diretor-geral da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO. 

Qu Dongyu agradeceu o que chamou de colaboração frutífera entre a agência e o Japão em África. Foto: ©FAO/Alessia Pierdomenico

Alimentação

Para Qu Donyu é preciso que o continente africano reforce o combate à fome e à nutrição aproveitando a “oportunidade de explorar o conhecimento das tecnologias inteligentes, a maquinaria agrícola e o marketing do Japão”.

Outras áreas com potencial de colaboração entre as duas partes incluem os padrões de segurança alimentar e nutricionais orientais além da cultura de dietas de alimentos saudáveis.

Qu Dongyu agradeceu o que chamou de colaboração frutífera entre a agência e o Japão em África. Essa cooperação “levou ao desenvolvimento de cadeias de valor eficientes e inclusivas de arroz, a uma melhor medição da perda e desperdício de alimentos nas indústrias alimentícias e ao fortalecimento de pequenas e médias empresas”.

O chefe da FAO destacou que a agência continuou a contar com a generosidade do Japão para ampliar a melhoria da nutrição em África.

PMA/Bruno Djoye
De acordo com a ONU, a fome atinge 820 milhões de pessoas no mundo

Prioridade

De acordo com os últimos dados, com o aumento da fome em quase todas as sub-regiões africanas, o continente tem a maior prevalência de desnutrição. Qu Dongyu disse que o combate à fome em todas as suas formas continuará a ser a principal prioridade da FAO em África.

Para o diretor-geral, há necessidade de abordar os vários aspetos da nutrição, que podem levar a melhorias socioeconómicas substanciais, introduzir inovações e dar novas ideias com foco em ações favoráveis aos pobres e orientadas a resultados.

A agência trabalha para aumentar a produtividade de agricultores africanos, o acesso a alimentos ricos em nutrientes, bem como a disponibilidade alimentar através de investimentos na agricultura, na aplicação de regulamentos, de parcerias público-privadas, da tecnologia e  da inovação.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Crise humanitária na República Centro-Africana é a terceira maior do mundo

Quase 3 milhões de pessoas precisam de ajuda humanitária; Programa Mundial de Alimentação pretende mais do que dobrar seu apoio e, para isso, são necessários mais US$ 35,5 milhões até o final de 2019.

ONU contribui para apoiar parte dos 2,3 milhões de afetados pela seca em Angola

Doação de bens será feita na província do Cunene, uma das quatro que enfrentam a emergência da seca; Unicef revela que situação afeta cerca de 491 mil crianças com menos de cinco anos.